summary_large_image
ENQUANTO ESPERAMOS…
Enquanto não nos deixam voltar ao estádio, resta-nos acompanhar o que se vai passando à distância, sendo que a alegria de festejar golos foi substituída pelo espanto que algumas notícias nos causam.
Imagem de destaque14 Set 2020, 10:00

Com as estranhas decisões da DGS, estamos todos à espera. Se alguns clubes, em especial os distritais,  conseguirão sobreviver à falta de receitas e de patrocínios é uma outra questão, com a qual poucos parecem estar verdadeiramente preocupados. A verdade é houve Avante e houve procissão em Fátima. Público nos jogos é que está mais difícil porque, aparentemente e na opinião da mesma DGS, somos todos uma cambada de vândalos que sabem comportar-se no trabalho, nos transportes e na vida quotidiana mas que, nos estádios, vivemos para apanhar a covid 19.

Enquanto não nos deixam voltar ao estádio, resta-nos acompanhar o que se vai passando à distância, sendo que a alegria de festejar golos foi substituída pelo espanto que algumas notícias nos causam, quando não pela novidade, seguramente que pela desfaçatez.

Em primeiro lugar, António Costa e Fernando Medina acharam a sua preferência clubística mais relevante do que o exercício de funções públicas, para as quais ambos foram eleitos. É um direito que lhes assiste, assim como o nosso é não esquecer este exacto momento. Desde logo, a maior parte dos sportinguistas manifestou-se contrária ao apoio do Senhor Primeiro-Ministro e do Presidente da Camara Municipal de Lisboa a Luís Felipe Vieira. Uma vez mais, discordo. Percebendo o timing em que tal sucede, menos conexo às eleições do que ao processo judicial em curso, parece-me que ambos constarem da dita Comissão de Honra tem a inegável vantagem de tornar as coisas muitíssimo mais claras. Daqui para a frente, não há razões para que qualquer decisão que venha a ser tomada não seja perspectivada a esta luz e tendo na sua base os apoios, sejam eles explícitos ou, mais perigosos, implícitos. E isto é tudo o que tenho para dizer sobre as eleições do Sport Lisboa e Benfica. É-me indiferente o resultado desde que o vencedor passe a cumprir as regras, o que não creio que possa suceder caso Luís Felipe Vieira ganhe as eleições.

Entre nós, vendemos Acuña, uma vez mais por um preço que muitos questionam. Desconheço quanto vale o jogador mas sei que os motivos aventados são estranhos porque o seu comportamento não se alterou. Acuña foi fiel ao Sporting quando outros o não foram e isso deveria bastar para que os seus alegados problemas de indisciplina fossem resolvidos de forma diversa do que chutá-lo do clube para fora, arrastando com tal outros profissionais que mostraram discordâncias com o método usado. Pessoalmente, custa-me sempre ver símbolos do clube tratados desta forma e acho que é um péssimo sinal para contratações futuras.

Por outro lado, vimos um jogo cancelado por infecção por covid 19 de, pelo menos, três jogadores, estando, à data em que escrevo, em risco a partida subsequente. Uma vez mais e com particular ênfase nas redes sociais, parte dos sportinguistas trataram de criticar o clube, chegando-se a invocar que o Clube deveria encerrar os jogadores. Importa que se esclareça que, como é óbvio, o Sporting Clube de Portugal, como qualquer outro clube, não tem qualquer legitimidade para “fechar” jogadores seja onde for e não pode obstar a que estes contactem com a sua família. Obviamente que sobre os profissionais impende um dever especial de cuidado e de preservação mas que não é muito diferente daquele que todos devemos cumprir. Se há coisa que já se pode dizer sobre a covid 19 é que, sendo muito mais generosa com os mais novos, não escolhe segmentos sociais ou profissões para atacar. Por isso, antes de nos lançarmos num mar de críticas, convinha perceber-se que o que aconteceu no Sporting não é diverso do que ocorreu noutros clubes, Benfica incluído. E, enquanto não aprendermos a dominar os efeitos deste vírus, todos os clubes estão numa posição de total igualdade perante os riscos, o que é mais do que se pode dizer quanto a todos os outros aspectos da competição.

(À laia de última nota, passei os olhos por uma decisão judicial absolutamente clara e inequívoca sobre aquele hiato temporal em que se andaram a criar órgãos imaginários, como a CT MAG. Quem tiver oportunidade de ler a decisão do tribunal, respeitante única e exclusivamente a um dos autores da CT MAG, fica esclarecido quanto à impossibilidade de criação da mesma, ideia essa que, seguramente por coincidência, é dos mesmos autores dos que pretendiam ocupar os respectivos cargos.  Podemos acreditar em teorias da conspiração. Podemos esbracejar e escrever que “é mentira”. Mas está lá quase tudo. Basta ler.)

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

  Comentários
Mais Opinião
Rita Garcia Pereira
Imagem de destaque
PRESO POR TER CÃO E PRESO POR NÃO TER
Afinal, com tantos regulamentos, parece que a Liga se esqueceu de um dos mais evidentes.
Rita Garcia Pereira
Imagem de destaque
NÃO HÁ COINCIDÊNCIAS
Do outro lado da barricada, ao que se sabe, assim que alguém se apresenta a julgar seja o que for, é logo brindado com convites.
Rita Garcia Pereira
Imagem de destaque
A BRUNO O QUE É DE BRUNO E ÀS CLAQUES O QUE É DAS CLAQUES
Um novo ciclo, onde as claques sejam todas construtivas, é urgente porque a festa também há muito que se faz com elas.
Rita Garcia Pereira
Imagem de destaque
QUO VADIS?
O Sporting é grande demais para tantos erros, inclusive de casting, para tanta inércia, para tanta arrogância.
Rita Garcia Pereira
Imagem de destaque
CLUBE DE COMBATE
Ganhar ao Portimonense em casa, com um autogolo, não parece uma proeza que consiga fazer esquecer tudo o resto.
Rita Garcia Pereira
Imagem de destaque
QUANDO OS BONS EXEMPLOS VÊM DO SPORTING… (E OS MAUS DE TODO O LADO)
Parece-me inquestionável que o Sporting tem, genericamente, má imprensa, mesmo no grupo que parece ser, nos dias que correm, o órgão de comunicação oficial do Clube.
Rita Garcia Pereira
Imagem de destaque
PLATA QUE PODE SER OURO
Depois de ontem e no caso do Sporting, está demonstrado que Plata da casa pode ser transformada em ouro. Às vezes, basta acreditar no nosso potencial.
Rita Garcia Pereira
Imagem de destaque
NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS…
Foi posto a correr o boato, de que eu ou o meu escritório teríamos qualquer coisa a ver com as cartas de resolução. É completamente falso e não é por ser repetido mil vezes que se torna verdade.