summary_large_image
HOJE E SEMPRE LEÃO
O Sporting é e deve assumir sempre uma referência democrática e serena, discutindo as questões com elevação, agregação e certamente com esforço, dedicação e devoção.
29 Set 2022, 14:37

Já diziam os Delfins, que mais do que a um país; Que a uma família ou geração; Mais do que a um passado; Que a uma história ou tradição; Tu pertences a ti; Não és de ninguém: Mais do que a um patrão: Que a uma rotina ou profissão; Mais do que a um partido; Que a uma equipa ou religião; Tu pertences a ti; Não és de ninguém. Vem tal a propósito do passado dia 21 de Setembro, data de entrega dos emblemas de 50 anos de sócios a cerca de 400 associados do Sporting Clube de Portugal, um clube eclético de todos nós. Na minha percepção, sendo um dos felizes contemplados, é sempre um momento especial na vida de um sócio do Sporting, o qual, como foi referido, faça chuva ou faça sol, apoiou e apoia o clube ao longo dos anos e de décadas. Um dia, de facto, especial, que me impôs a recordação de, aos 25 anos de associado, ter tido a honra do respectivo emblema haver-me sido aposto por Manuel Vasques, um dos famosos 5 violinos, e a actual honra de um outro campeão, e um exemplo da actualidade, entregar-me o emblema de 50 anos de socio: Zicky Té, campeão do Futsal. Hoje e sempre o Sporting será composto por campeões, pelo que foi também um dia de revisitar a nossa história com uma visita ao Museu, que todos devemos fazer.

Mas há mais vida clubística, e como se aproxima a realização de uma nova Assembleia Geral, há que exercermos, também aqui, a nossa presença e os nossos direitos, conforme supra, e embora dentro de um pavilhão, que nos desloquemos, faça chuva ou faça sol, mas sempre na defesa dos nossos valores, o que, certamente, implica, por vezes, pararmos um pouco para reflectir e dar, com serenidade, o palco aos associados no sentido de, democraticamente, apresentarem as suas ideias, escritas e orais, perante a presença dos demais, votando-se sempre qualquer deliberação após a audição de todos os inscritos. Tal será justo e democrático e, no fundo, o usual em todas as Assembleias Gerais de demais associações e clubes.

O Sporting é e deve assumir sempre uma referência democrática e serena, discutindo as questões com elevação, agregação e certamente com esforço, dedicação e devoção, quer nos bons quer nos menos bons momentos.

Mas se acompanhamos a vida do clube, igualmente, a meu ver, há que, se e no possível, apoiarmos os nossos atletas. Ora vem tal a propósito de outro campeão Sportinguista: Jorge Fonseca.  Tal atleta nasceu em São Tomé e Príncipe e veio para Portugal com 11 anos e começou a praticar judo na Damaia onde conheceu o seu treinador Pedro Soares que o trouxe para o Sporting Clube de Portugal. Desde então e até à actualidade obteve inúmeros títulos, individual e colectivamente, quer para Portugal quer para o Sporting.  Mas há mais vida do que o desporto e para além do atleta há o Homem. Certo é que Jorge Fonseca tinha, há muito, assumido o sonho de ser polícia, mas foi sempre deparando com dificuldades várias (parece a sina de Sportinguista) como a falta de habilitações literárias (não tinha o 12.º ano obrigatório, entretanto realizado), assim como a idade limite, que em maio passou a ser 30 anos. Ultrapassando estas etapas, a satisfacção de constatar que foi um dos 3 500 candidatos a 1200 vagas, porém obteve a nota de 7,75 valores ( numa escala de 0 a 20) nas provas escritas, realizadas na Escola Prática de Polícia, em Torres Novas, alegadamente por ter falhado a prova de cultura geral, tudo isto sem prejuízo dos direitos que, ainda, detém de poder pedir a revisão de prova. Ora num país em que um atleta destes pode e deve ser um exemplo para a juventude, sem prejuízo da analise jurídica dos seus direitos, em termos de motivação para outros, há que dar uma palavra de alerta para o ocorrido e, porque não, os Sportinguistas (clube e associados) unirem-se no apoio ao mesmo. Como já tem sido dito, Jorge Fonseca tem feito mais pela PSP do que dezenas de campanhas de marketing pagas a peso de ouro, face a sua vontade de ser polícia e tendo em consideração onde cresceu, uma área a polícia não seria muito popular….

Ser do Sporting é tudo isto e muito mais, mas Hoje e Sempre devemos ser um Leão na defesa dos nossos ideias e valores, com um ano, cinco, cinquenta ou setenta e cinco anos de associado.

Defendamos os nossos!

Roberto Carvalho: Sócio número 2.699-0

  Comentários
Mais Opinião