summary_large_image
REGRESSAR
Foi isso que a pandemia nos  tirou, o amor ao futebol. O amor a estar presente, o amor a poder bater palmas, cantar e gritar por todos aqueles que estão em campo.
Imagem de destaque11 Out 2020, 10:00

Esta semana a seleção nacional voltou aos campos e os adeptos regressaram às bancadas, tive a honra de ser uma das 2500 pessoas que estiveram sentadas no Estádio de Alvalade a assistir ao jogo e é tudo tão estranho .

Tenho Gamebox há dois anos e, no dia 8 de março, no jogo de estreia de Rúben Amorim para o Campeonato em Alvalade, estive lá . Levei a minha mãe comigo nesse dia, inclusivé, nessa altura já se falava de Covid, já se falava do receio, mas a verdade é que o Estádio estava composto. Não existiam três cadeiras de intervalo entre as pessoas, não existia gel desinfetante em cada entrada, nem a obrigatoriedade de uma máscara posta a tempo inteiro. Falando assim parece que foi há uma vida atrás, há muitos, muitos anos, mas não, tudo isto do Estádio cheio, aconteceu há precisamente sete meses .

É incrível como dizem que o tempo passa bastante depressa e eu não sinto nada disso em relação a esta pandemia e no que ao futebol em particular diz respeito. Aqui, só sinto que nunca mais chega a altura de voltarmos a encher o Estádio como era antes, como foi durante tanto tempo, como foi ainda há sete meses atrás .

Voltando ao jogo desta quarta-feira, tudo começou a ser muito estranho quando até as filas para a entrada faltaram (eu que tanto as criticava), depois, mediram-me a temperatura, a senhora que o fez, fez também questão de dizer alto e bom som “36,3 graus” . Pude entrar,  pois era menos que os 38 decretados pela DGS em conjunto com a FPF para poder estar presente.

Depois de uma revista feita por um controlador de metais , de ter aberto a minha mala para mostrar o que tinha, estava finalmente de volta a Alvalade! De volta à minha casa! Estava de regresso ao sítio onde passei tantas horas sentada numa bancada a ver bom e mau futebol, e finalmente estava de volta.

Ainda que sempre com a máscara posta, pude voltar a sentir que aquele organismo vivo que reside dentro do Estádio, ainda ali estava, adormecido, mas ainda ali estava. Segui o corredor até à bancada onde fiquei atribuída e aí levei o primeiro choque: um gel desinfetante de carácter de colocação obrigatória antes de me sentar. Não fiquei chocada com o próprio desinfetante, mas com a realidade que esta pandemia trouxe ao futebol . (Imaginem que o Estádio estava cheio , as filas que seriam para colocar o gel seriam maiores que as da entrada)

Subi, sentei-me no meu lugar e não senti aquele bichinho que costuma estar presente em dia de jogo. Aquela ansiedade que nos deixa a fumegar pelo apito inicial, aquela ansiedade que nos faz sentir o futebol tal como é: a única religião que não tem ateus. A distância entre as pessoas, o facto de as máscaras abafarem os cânticos que normalmente estariam presentes, o facto de não podermos ter ao nosso lado as pessoas que queremos, mas ali, não senti o amor que costumava sentir ao desporto Rei .

Foi isso que a pandemia nos  tirou, o amor ao futebol. O amor a estar presente, o amor a poder bater palmas, cantar e gritar por todos aqueles que estão em campo. Neste momento tudo isso se perdeu, e enquanto não for encontrada uma vacina que nos permita a todos estarmos no nosso lugar, sem máscara e sem medos, esse amor vai continuar adormecido .

No dia em que tudo isto terminar, no dia em que esta pandemia tiver uma solução, há muita gente que quer voltar a ir ao cinema, quer voltar a viajar, quer voltar a poder estar numa esplanada sem medos, no meu caso, só quero voltar ao estádio e voltar a acordar o amor.

  Comentários
Mais Opinião
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
CASA ONDE NÃO HÁ PÃO…
E os Sportinguistas já não têm essa paciência, os Sportinguistas estão cansados de esperar, de pensar que "para o ano é que é".
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
SER OU PARECER
Neste momento e em termos Europeus, o Sporting é Grande sim, em Hóquei e em Futsal por exemplo, mas no que diz respeito ao futebol, a conversa volta novamente a ser outra.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
PARA TI, BRUNO!
Leva contigo o Esforço, a Dedicação a Devoção e a Glória que por cá aprendeste, porque aí, a história de quem vai vestido de verde e branco, é feita de títulos e tu mereces ganhá-los.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
#DIADESPORTING
É altura de colocar o cachecol, vestir a camisola e preparar a voz... porque o amor chama e a este nunca viraremos as costas.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
ESTE AMOR QUE NOS CONSOME
É o amor que me faz ter um 1906 tatuado, é o amor que me deixa com a lágrima no olho cada vez que vejo uma criança com o símbolo do leão rampante ao peito.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
OBRIGADA MÃE POR ME TERES FEITO DO SPORTING
Hoje, vou levá-la à bola outra vez e já vou conseguir vê-la a cantar O Mundo Sabe Que com o cachecol ao alto e é aí que a emoção vai falar mais alto outra vez, porque se é amor, a ela o devo.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
EXISTEM DIAS
Seria tão fácil dizer que para mim já chega, que estou cansada, que vou deixar de pagar quotas, mas a palavra fácil nunca esteve presente no nosso dicionário.