summary_large_image
VOLTÁMOS
Perdemos a noção do tempo, perdemos a consciência do que era estar na bancada durante 90 minutos a cantar, a bater palmas, a apoiar, mas há duas coisas que não perdemos: O amor e a prática.
Imagem de destaque02 Ago 2021, 11:11

Tinha tantas saudades! Tantas que assim que soube que podia ir ao jogo (com teste negativo e bilhete na mão) as borboletas da ansiedade chegaram outra vez.

É certo que tive a sorte de ir ao jogo da seleção nacional em Alvalade, também é certo que adorei, mas não é a mesma coisa. Apesar de ter sido em Alvalade, ter estado com adeptos no Estádio, por muito que goste de ver jogar a equipa das quinas, nada se equipara à sensação que tive este sábado.

Longe de casa, a mais de 2h de viagem, conseguimos voltar a estar com a equipa. Conseguimos voltar a passar-lhes o sentimento de que não estão, nem nunca estiveram, sozinhos dentro de campo.

A pandemia fez com que muita coisa se perdesse. Perdemos a noção do tempo, perdemos a consciência do que era estar na bancada durante 90 minutos a cantar, a bater palmas, a apoiar, mas há duas coisas que não perdemos: O amor e a prática.

Os cânticos continuam a estar na ponta da língua e mesmo sem as bandeiras e sem os tambores (que não são permitidos sem o cartão do adepto), conseguimos fazer a festa, cantar em uníssono todas as músicas que fazem parte da vida de quem anda de estádio em estádio durante toda a temporada e conseguimos mostrar e provar que a história de que o Sporting Clube de Portugal joga melhor sem adeptos é a maior balela que já se ouviu neste país.

Eu estava sentada numa lateral, atrás de mim estava um senhor de mais ou menos 70 anos e ele, ao ver o meu estado de ansiedade ao longo de todo o jogo só me dizia “oh menina, tenha calma e aproveite, já tínhamos todos tantas saudades de estar a ver a equipa!”.

O senhor tinha razão, eu devia ter aproveitado e desfrutado muito mais do aquilo que desfrutei, mas não consegui parar quieta. Parecia uma criança na véspera de natal que às 20h já começa a perguntar quanto tempo falta para poder começar a abrir as prendas. Porque é disto que vive o futebol: dos adeptos na bancada.

Acho, sinceramente, que o plantel e a equipa sentiram isso connosco. Voltámos a ser um só, finalmente voltámos a ser um só e agora não nos voltem a tirar isso.

Sexta-feira arranca o campeonato e ainda ninguém sabe muito bem como tudo se vai desenrolar, mas por favor, com toda a segurança e certeza de que quando chegarmos aos 85% de vacinados podemos voltar a encher a nossa casa, não nos façam voltar atrás.

Vacinem-se, protejam-se e protejam os outros, porque o que toda a gente quer é voltar. Voltar aos Estádios, voltar a casa e voltar a ficar com a pele arrepiada ao ouvir o Mundo Sabe Que, de cachecóis ao alto, no Estádio do Campeão Nacional.

  Comentários
Mais Opinião
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
CASA ONDE NÃO HÁ PÃO…
E os Sportinguistas já não têm essa paciência, os Sportinguistas estão cansados de esperar, de pensar que "para o ano é que é".
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
SER OU PARECER
Neste momento e em termos Europeus, o Sporting é Grande sim, em Hóquei e em Futsal por exemplo, mas no que diz respeito ao futebol, a conversa volta novamente a ser outra.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
PARA TI, BRUNO!
Leva contigo o Esforço, a Dedicação a Devoção e a Glória que por cá aprendeste, porque aí, a história de quem vai vestido de verde e branco, é feita de títulos e tu mereces ganhá-los.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
#DIADESPORTING
É altura de colocar o cachecol, vestir a camisola e preparar a voz... porque o amor chama e a este nunca viraremos as costas.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
ESTE AMOR QUE NOS CONSOME
É o amor que me faz ter um 1906 tatuado, é o amor que me deixa com a lágrima no olho cada vez que vejo uma criança com o símbolo do leão rampante ao peito.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
OBRIGADA MÃE POR ME TERES FEITO DO SPORTING
Hoje, vou levá-la à bola outra vez e já vou conseguir vê-la a cantar O Mundo Sabe Que com o cachecol ao alto e é aí que a emoção vai falar mais alto outra vez, porque se é amor, a ela o devo.
Mariana Cordeiro Ferreira
Imagem de destaque
EXISTEM DIAS
Seria tão fácil dizer que para mim já chega, que estou cansada, que vou deixar de pagar quotas, mas a palavra fácil nunca esteve presente no nosso dicionário.