LEÕES EM GRANDE MARCAM PRESENÇA NA FINAL
Sporting CP vence o Vitória SC, por 83-71, e enfrentam o FC Porto na final
Tiago Jesus
Texto
7 de Outubro 2020, 20:09
summary_large_image

A equipa principal de basquetebol do Sporting CP venceu o Vitória SC esta quarta-feira, 7 de outubro, por 83-71. Com esta vitória, os leões garantiram um lugar na final da Taça de Portugal, que se joga na próxima quinta-feira, 8 de outubro, em Odivelas. Jogo que passou de fácil a difícil, mas com os leões a conseguirem recuperar a sua boa performance.

O Vitória SC inaugurou o marcador, mas, na resposta, Shakir Smith fez os dois primeiros pontos verdes e brancos. Nos primeiros minutos, as duas equipas estavam ao mais alto nível, mostrando grande intensidade e entrega a partida. A turma de Guimarães mostrou saber aproveitar as debilidades defensivas dos leões e conseguiu estar em vantagem, mas depressa os leões superiorizaram as suas falhas na defesa com brilhantismo no ataque, chegando a vantagem (11-9).

O jogo manteve-se a um ritmo muito alto, com duas equipas muito equilibradas e a partida a ser bem disputada de parte a parte. Os leões orientados por Luís Magalhães – de regresso ao banco após testar negativo à covid-19 – corrigiram as falhas na defesa, passando a defender de forma mais agressiva e a explorar o contra-ataque, levando a vantagem no primeiro quarto (23-12).

O segundo quarto começou com a mesma agressividade que a turma de Alvalade havia terminado o primeiro. Mais do que agressividade, magia era o que havia em campo. Diogo Ventura com um passe por trás da cabeça assistiu Fields para um grande ponto para os leões começarem o segundo quarto. O jogador norte-americano fazia o que queria do jogo interior dos vimaranenses, levando a que o Sporting CP levasse um parcial de 6-0, obrigando Carlos Fechas a pedir um desconto de tempo para colocar gelo no jogo (29-12).

A turma leonina mantinha um grande nível no setor defensivo, com os jogadores a usarem as mãos de forma muito agressiva, mas sem cometer faltas. Os homens de Guimarães procuravam contrariar a turma de Alvalade, usando a estratégia dos leões, ao jogar em contra-ataque e defendendo à zona, impedindo os leões de concretizar (31-14).

Apesar de melhorar no capítulo defensivo, através do uso da defesa a zona, os jogadores vimaranenses pecavam no momento da concretização, não sendo capazes de igualar os leões no marcador, que apesar das dificuldades em entrar no garrafão, continuavam a marcar, com alguns triplos, mantendo assim a distância no marcador até ao intervalo (42-26).

A segunda parte começou com a mesma intensidade que havia terminado a primeira. Os leões corrigiram as falhas defensivas, sobretudo nos terrenos interiores, e melhoraram na finalização, com destaque para Fields, que marcou cinco pontos consecutivos, elevando ainda mais a vantagem leonina (53-36).

Sendo incapaz de entrar no terreno interior da defensiva dos leões, os pupilos de Carlos Fechas exploravam os lançamentos de longe. Era através dessa arma que os vimaranenses conseguiam marcar os seus pontos, marcando vários pontos de fora do garrafão, conseguindo diminuir a vantagem dos homens de verde e branco (53-41).

A defensiva leonina perdeu alguma solidez, principalmente na zona interior, levando a que os homens de Guimarães fossem recuperando aos poucos, graças a um grande trabalho de Brandon Parrish, que já contava com 16 pontos, levando a vantagem no parcial de 11-4. Insatisfeito com o que via, Luís Magalhães pediu um desconto de tempo para tentar corrigir os aspetos defensivos dos leões.

Após a pausa técnica, as alterações feitas por Luís Magalhães no aspeto defensivo pareciam não surtir efeito, com os vimaranenses a continuarem a sua caminhada atrás do marcador. Apesar da turma de Alvalade continuar a sofrer pontos, a qualidade dos leões na finalização permitia que a vantagem não se tornasse demasiado curta para o último quarto (62-51).

O início ultimo período da partida ficou marcado pela inexistência de pontos por parte dos pupilos de Luís Magalhães, em grande parte devido às consecutivas faltas ofensivas para os homens de verde e branco, com os vimaranenses a não aproveitar em demasia marcando apenas quatro pontos. (62-55).

A turma de Carlos Fechas aproveitou o fator psicológico, que estava em altas para os homens de Guimarães, contrariamente ao que acontecia aos rapazes de verde e branco, levando o Vitória SC uma vantagem no parcial de 9-3. Flávio Nascimento pediu a sua equipa para ter cabeça e não perder o foco no encontro, mas parecia não surtir efeito com a turma de branco cada vez mais perto do empate (65-62).

Quatro triplos consecutivo no Sporting CP permitiu que os leões respirassem de melhor forma. A turma de Alvalade voltava a ser agressiva na defesa, cortava as linhas de passe vimaranenses e melhorava o seu jogo interior defensivo, remetendo a equipa de Guimarães ao jogo exterior. Os pupilos conseguiram assim manter a vantagem até ao final da partida, garantindo um lugar na final (83-71).

O Sporting CP saiu, assim, vencedor, por 83-71, frente aos vimaranenses, marcando assim lugar na final da Taça de Portugal. Os leões marcam assim encontro com o FC Porto na próxima quinta-feira, oito de outubro. O jogo terá lugar no Pavilhão de Odivelas com transmissão na FPB TV, pelas 19h00.

  Comentários