“DE CORTAR A…”; VITOR PINTO, JORNALISTA DO RECORD, REAGIU ASSIM AO BENFICA - SPORTING DA TAÇA DE PORTUGAL
Leões e águias mediram, na passada terça-feira, forças, num duelo de fortes emoções (4-3 no agregado)
Redação Leonino
Texto
3 de Abril 2024, 10:03
Hjulmand, Edwards, Coates, Paulinho, Geny Catamo, Sporting, Benfica

O Sporting apurou-se, na passada terça-feira, para a final da Taça de Portugal, depois de um empate a dois no Estádio da Luz. Entre muitas as reações, que foram do relvado à bancada, as opiniões sobre este intenso embate foram se multiplicando, nomeadamente em órgãos de comunicação social.

Vítor Pinto, jornalista do Record, assume que este foi o duelo de ‘cortar a respiração’. “Um dérbi de cortar a respiração. O futebol português estava a precisar de uma segunda parte de alto nível como a que o Benfica e Sporting proporcionaram. Houve vertigem até ao último suspiro […]”, começou por adiantar.

E prosseguiu: “O Sporting abriu a porta para o Jamor e o despique no ‘red line’ deu ainda maior gratificação no apito final. Os leões deixaram a águia sair de Alvalade com a eliminatória viva e foram obrigados a sofrer durante vários períodos para não ficarem encostados às cordas”

Ainda no mesmo momento, o profissional de comunicação referiu que as mudanças da turma de Rúben Amorim ao intervalo deram ‘frutos’ na partida. “A ânsia de recuperar a iniciativa deu frutos com a mudança de registo que levou St.Juste a solicitar Gyokeres e este servir para um grande golo (assinalado por Morten Hjulmand)”, considerou

“A noite de loucura materializou-se no 2-2 de Rafa agora com Bah a servir. Parece loucura, mas ainda ficaram mais dois ou três golos por marcar”, finalizou o jornalista do Record numa partida que aos seus olhos merecia um desfecho ainda mais goleador do que aquilo que foi.

O Clube de Alvalade volta a jogar no próximo sábado, dia 6 de abril, novamente diante do Benfica. O novo encontro diante dos encarnados, a contar para a jornada 28 da Liga Portugal Betclic, está agendado para as 20h30, no Estádio José Alvalade.

  Comentários