MEMÓRIA LEONINA: TRICAMPEÕES E TRIPLETE
Há dois anos, o futsal leonino fazia, neste dia, o pleno das modalidades, conquistando o tricampeonato no Pavilhão João Rocha
Maria Pinto Jorge
Texto
30 de Junho 2020, 11:12
summary_large_image

Foi um dia de nervos do qual todos os Sportinguistas se lembram. Faltava, às modalidades de pavilhão do Sporting CP, que o futsal fosse campeão nacional, para que o Pavilhão João Rocha visse serem feitas quatro festas na mesma época, neste seu primeiro ano. E assim foi.

Depois de apenas um empate em 26 jogos disputados, os leões terminaram a fase regular do campeonato com 76 pontos, em primeiro lugar e, com tal pontuação, um novo recorde (mais um). Por esta altura, a equipa de Nuno Dias fixava a marca de não perder na fase regular desde dia 17 de outubro de 2015, um incrível total de 72 jogos.

Terminada a fase regular, seguiu-se o play-off. Aqui, o Sporting CP ultrapassou o Módicus – por 2-0 e 4-0 -, tornando-se a primeira equipa de sempre a chegar à final do campeonato sem sofrer golos na meia-final.

Com a chegada à final, frente ao eterno rival SL Benfica, e um dos maiores dérbis do futsal mundial, esta foi uma das fases finais mais disputadas de sempre. Cinco partidas, três prolongamentos e duas decisões por grandes penalidades.

No jogo decisivo, o quinto, a 30 de junho de 2018, os leões rugiram como ninguém. Estava tudo dado como perdido, depois de a equipa de Nuno Dias estar a perder por dois golos, mas a verdade é que o resultado foi igualado – por duas vezes! – e a decisão teve de ir ao castigo máximo: as grandes penalidades. Aqui, Gonçalo Portugal, guarda-redes verde e branco, esteve incansável, e o Sporting CP acabou mesmo por conquistar o seu 15.º campeonato nacional, tornando-se o terceiro consecutivo, algo que não acontecia desde 1995. Mais que isso, foi o primeiro título do futsal leonino no Pavilhão João Rocha, depois de 13 anos a jogar com a casa às costas.

A conquista do campeonato juntou-se às conquistas da Taça de Portugal e da Supertaça, formando assim um “triplete”, algo que só tinha acontecido por uma vez na história do Sporting CP, em 2010/11.

  Comentários