"NÃO FAZ SENTIDO TRAZER ISSO PARA AQUI" - TITULAR DO SPORTING RECUSA RECORDAR INVASÃO A ALCOCHETE
Futebolista do Clube de Alvalade diz que o seu foco é vencer a final da Taça de Portugal frente ao Porto
Redação Leonino
Texto
25 de Maio 2024, 20:20
Luís Neto, Trincão, Hjulmand, Nuno Santos, Esgaio, Inácio, Sporting, Manchester United, Rúben Amorim

Francisco Trincão recusou recordar a invasão a Alcochete que aconteceu em 2018. O jogador do Sporting esteve na conferência de antevisão à partida da final da Taça frente ao Porto e diz “não faz sentido” voltar a abordar o assunto.

“Foi complicado, mas não faz sentido trazer isso para aqui, o clube está diferente. Quero ajudar o Sporting a ganhar títulos e espero que amanhã conquistemos mais um”, referiu o futebolista que deverá ser opção inicial nas escolhas de Rúben Amorim.

Francisco Trincão, após um início de época complicado, em que contraiu uma lesão muscular e se viu, portanto, excluído de vários encontros, foi crucial para a segunda metade do campeonato, tendo levado a melhor sobre Marcus Edwards e garantindo o seu lugar como titular na formação liderada por Rúben Amorim.

Recorde-se, no caso, que Gonçalo Inácio foi o único campeão nacional pelo Sporting em 2023/24 que irá representar Portugal no Euro 2024, competição na qual as quinas integram o Grupo F, juntamente com Chéquia (18 de junho, em Leipzig), Turquia (22, em Dortmund) e Geórgia (26, em Gelsenkirchen).

Sporting e Porto enfrentam-se neste que será o último jogo oficial de ambas as equipas antes da paragem para o Campeonato da Europa. A grande final da prova rainha do futebol português está marcada para o próximo domingo, dia 26 de maio, no Estádio Nacional do Jamor. O pontapé de saída está agendado para as 17h15.

Ao todo, desde que chegou ao Sporting, oriundo do Barcelona, Francisco Trincão – avaliado em 14 milhões de euros – leva 99 jogos disputados, ao longo dos quais apontou um total de 23 golos e 13 assistências. O internacional português custou aos cofres verdes e brancos qualquer coisa como 10 milhões de euros por 50% dos direitos económicos.

  Comentários