CARLOS GALAMBAS JÁ NÃO VOLTA
Numa publicação no Facebook, o ex-diretor de andebol do Sporting CP explicou processo de saída do Clube, revelando que ter-lhe-á sido prometido um regresso, que nunca chegou a acontecer
Duarte Pereira da Silva
Texto
26 de Outubro 2020, 19:02
summary_large_image

Carlos Galambas fez, esta segunda-feira, 26 de outubro, uma publicação no Facebook em que explica o processo de saída do Sporting CP. O ex-diretor do andebol leonino revelou que, em determinado momento, os dirigentes verdes e brancos ter-lhe-ão prometido um regresso ao Clube, algo que nunca chegou a acontecer.

Galambas recordou que “no final da época 2018/19 deixei de exercer funções de diretor de andebol do Sporting CP, tendo-me sido proposta a minha passagem para o Gabinete das Modalidades (GM)”, acrescentando que “apesar de não concordar com as razões expostas para o meu afastamento do cargo de Diretor do Andebol – e este é um assunto que um dia verá a luz – assumi um novo desafio dentro do GM, sempre com o espírito de missão relativo ao Sporting CP”.

Em abril de 2020, cerca de um mês antes do término do vínculo contratual, Carlos Galambas foi informado de “que iriam avalizar a renovação do contrato, contudo, o Conselho Diretivo ‘chumbou’ a minha continuidade, alegando que eu usufruía de um salário acima do dos meus colegas para as funções que desempenhava”. Perante esta situação, Carlos Galambas mostrou-se “disponível para baixar” o seu “vencimento, caso fosse esse o entrave à minha continuidade, pois, a honra de servir o Clube prevalecia, pelo que, com agrado, faria esse sacrifício pessoal”.

Apesar da disponibilidade demonstrada pelo antigo dirigente leonino, o Clube informou-o que “por questões legais” tal situação não era possível. Aquando da sua saída, o Sporting CP terá ´prometido´ a Carlos Galambas que “logo que fosse necessário recrutar alguém, ser-me-ia dada prioridade nessa contratação, algo que poderia demorar 4 ou 5 meses”. A possibilidade de Galambas regressar ao Clube chegou a estar em cima da mesa, mas o Conselho Diretivo inviabilizou a sua contratação “por motivos de custos”.

Na publicação, Carlos Galambas revela que, após esta situação, tentou contactar Frederico Varandas, mas não obteve qualquer resposta.

Por fim, e depois de ter deixado uma mensagem de solidariedade para com Miguel Albuquerque, o antigo jogador de andebol dos leões afirmou que estará “sempre “disponível para ajudar o Sporting CP, seja em que função for, da mais humilde à mais mediática”.

Confira a publicação completa:

Reação ao artigo de opinião de José Manuel Freitas no jornal O JOGO de 25-10-2020
Sendo referida a minha saída do Sporting Clube de Portugal (SCP), no artigo de opinião do comentador José Manuel Freitas, publicado no jornal O JOGO, no dia 25 de outubro de 2020, e sendo um tema sobre o qual nunca me pronunciei publicamente, passo a deixar aqui o seguinte esclarecimento sobre o mesmo:
Como é do conhecimento geral, no final da época 2018/19 deixei de exercer funções de Diretor de Andebol do SCP, tendo-me sido proposta a minha passagem para o Gabinete das Modalidades (GM), uma das promessas eleitorais do atual presidente, Frederico Varandas.
Apesar de não concordar com as razões expostas para o meu afastamento do cargo de Diretor do Andebol – e este é um assunto que um dia verá a luz – assumi um novo desafio dentro do GM, sempre com o espírito de missão relativo ao SCP, desígnio maior entre todos aqueles que têm o privilégio de o servir.
Assumi uma postura de afastamento face à Equipa de Andebol, para evitar qualquer polémica, mas, simultaneamente, sempre que me foi solicitado, tentei ajudar o meu sucessor.
Para trás tinham ficado duas temporadas como Diretor e um título nacional conquistado. Percebo que um Clube ganhador como o SCP tenha que mudar algo, quando não ganha, mas o tema da minha saída do cargo de Diretor de Andebol não é assunto que ora impere.
Quando passei de Diretor do Andebol e integrei o GM, sabia que o meu contrato terminava a 31 de Maio de 2020.
No final de Abril, os meus superiores hierárquicos comunicaram-me que iriam avalizar a renovação do contrato, contudo, o Conselho Diretivo ‘chumbou’ a minha continuidade, alegando que eu usufruía de um salário acima do dos meus colegas para as funções que desempenhava.
Prontamente informei os meus superiores que estaria disponível para baixar o meu vencimento, caso fosse esse o entrave à minha continuidade, pois, a honra de servir o clube prevalecia, pelo que, com agrado, faria esse sacrifício pessoal.
Perante a minha posição, fui, depois, informado da impossibilidade de o meu contrato ser alterado ao nível de remuneração por questões legais. Foi-me ainda comunicado que a decisão de não renovação tinha de ser tomada, também face ao momento de pandemia que vivíamos, mas, que, logo que fosse necessário recrutar alguém, ser-me-ia dada prioridade nessa contratação, algo que poderia demorar 4 ou 5 meses.
O tempo foi passando e eu fui-me mantendo no meu silêncio, à espera da possibilidade de regresso, como outrora tinha sido afiançada… Fui, então, informado, recentemente, pelos meus superiores hierárquicos, que o meu nome estava em estudo para regressar, mas que o CD inviabilizou a minha contratação, por motivos de custos, apesar de conhecedor da necessidade de recrutamento de uma qualquer pessoa para a vaga existente, o que me deixou incomodado, percebendo de antemão a rejeição da minha pessoa! Sabe-se lá porquê!!!!
Tentei ainda contactar o presidente Frederico Varandas, com quem mantive um bom relacionamento, quando este desempenhava as funções de Diretor Clínico e eu de Diretor Desportivo, no intuito de lhe reportar o sucedido. Infelizmente, e para grande surpresa minha, nunca obtive qualquer resposta, seja por chamada telefónica, seja por SMS, o que me levou a considerar que não existia, da parte do SCP, interesse no meu regresso.
Assim se coloca um ponto final na minha passagem pelo SCP, o meu clube de coração, que servi com honra, orgulho e espírito de missão. Primeiro como jogador, depois como dirigente e, finalmente, como elemento administrativo no GM.
Estarei sempre disponível para ajudar o SCP, seja em que função for, da mais humilde à mais mediática.
Por fim e em sintonia com o objetivo desta publicação, importa mencionar que foi o Miguel Albuquerque a pessoa que me comunicou a decisão do SCP relativa à minha destituição de Diretor do Andebol, mas foi também ele que me proporcionou a oportunidade de continuar no SCP, afeto ao GM.
Neste meu comunicado quero também deixar uma palavra ao Miguel Albuquerque face ao momento conturbado que, atualmente, atravessa, enviando-lhe, pelo respeito pessoal e profissional que merece, pela admiração enquanto dirigente, com uma história de sucesso ligada ao SCP, um abraço de solidariedade, dado que se encontra com a sua vida privada exposta em praça pública e, no meu entender, de forma reles e baixa! Sabe-se lá por quem ou com que interesse!…
Para terminar, uma vénia ao nosso SCP, que é, tal como augurou José Alvalade, “um Clube tão grande como os maiores da Europa”. Só posso sentir um imenso orgulho em ter contribuído para o seu engrandecimento, nomeadamente ao nível da minha modalidade, o ANDEBOL!
Obrigado por todo o carinho! Foi uma honra servir o SCP!
Carlos Galambas
Fotografia de Sporting CP
  Comentários