MIGUEL BRAGA AO ATAQUE
Luís Filipe Vieira, Fontelas Gomes e FC Porto foram alguns dos alvos do responsável de comunicação dos leões. Na Sporting TV, Miguel Braga esclareceu ainda as situações de Vietto, Camacho e Ristovski
Duarte Pereira da Silva
Texto
20 de Outubro 2020, 12:25
summary_large_image

Miguel Braga marcou, esta segunda-feira, 19 de outubro, presença na Sporting TV e atacou em várias direções. Na estreia do programa ´Raio X´, o responsável de comunicação abordou a polémica arbitragem do clássico, respondeu a Luís Filipe Vieira e apontou também ao Presidente do Conselho de Arbitragem, Fontelas Gomes, e ao FC Porto.

Arbitragem do clássico

  • Não sabendo fazer leitura labial de algumas palavras que o Sérgio Conceição diz, aquele tipo de palavreado não é admitido pelas regras da arbitragem em Portugal. Hoje em dia, também há outra particularidade. Os estádios estão vazios e, por isso, se, na bancada, nós conseguimos ouvir o que disse o banco do FC Porto, faz-me um bocadinho de confusão que ninguém oiça o que disseram, mas, depois, já ouviram o que disse o Rúben Amorim, expulsando-o.
  • Mais uma vez, o que está aqui em causa é a dualidade de critérios que existe relativamente ao treinador do FC Porto e do Sporting CP. Porque é que não nos julgam a nós da mesma forma que julgam os outros?
  • Existia um sentimento de revolta e viu-se isso pela presença do Presidente na conferência de imprensa. Sentimos que era um jogo que podíamos ganhar e que acontecimentos estranhos não permitiram que isso acontecesse.

Dualidade de critérios

  • A dualidade de critérios que nos queixamos tem-se acentuado nos últimos anos. Chegou a altura de dizer basta. Não queremos mais do que os outros. Queremos as mesmas regras que os outros têm.
  • A única coisa que esperamos é que esta dualidade de critérios, que, desde a primeira jornada, temos vindo a alertar, não aconteça. Não é bom para o futebol português e não é bom para o Sporting CP.

Resposta a Luís Filipe Vieira

  • O que dá vontade de chorar é ver a falta de cultura democrática de certas pessoas ligadas ao futebol português. É a única coisa que tenho a dizer sobre isso (declarações de Luís Filipe sobre os debates nas eleições do Sporting CP). Quem não quer debater com os seus adversários, revela falta de cultura democrática. Atacar o Sporting CP por esse ponto só dá vontade de chorar e não de rir.

Críticas a Fontelas Gomes

  • O Presidente do Sporting CP foi bastante claro e acredita que Fontelas Gomes poderá ser a pessoa indicada para liderar a arbitragem e provocar certas mudanças. Não havendo mudanças, exigem-se algumas. Fazendo sempre a mesma coisa, vamos ter sempre os mesmos resultados.

Sporting CP é a equipa com mais cartões amarelos, em média, da Liga NOS

  • Já tínhamos alertado para esta estatística e voltamos sempre à mesma tecla. Por um lado, lemos na imprensa desportiva que temos uma equipa jovem, mas, pelos vistos, são os mais viris de todo o campeonato, dado que, pela média, somos a equipa que recebe mais cartões amarelos por jogo. Pelo que vejo do Sporting CP, não me parece que faça qualquer sentido sermos a equipa mais indisciplina da Liga NOS.

Comparação com Pinto da Costa e Luís Filipe Vieira

  • Foi curioso ver um diretor de um jornal desportivo escrever que entendia a revolta do Sporting CP, mas, depois, dizia que o Sporting CP tinha perdido alguma influência. Sempre pensei que os jogos se deviam ganhar dentro do campo. Além disso, temos de perceber o contexto em que isto foi dito. Pinto da Costa está como Presidente do FC Porto há 40 anos, Luís Filipe Vieira está há praticamente 20 anos como Presidente do SL Benfica e Frederico Varandas está há dois anos como Presidente do Sporting CP. Pretender que um Presidente que está há dois anos tenha a mesma influência que um que está há 40 e outro que está há 20, não me parece sequer uma conta muito famosa por si.

Trabalho invisível

  • Ao nível da seleção portuguesa, desde 2018, já tivemos mais jogos em Alvalade do que com os dois Presidentes anteriores. Também tivemos uma Liga dos Campeões. Todos estes atos representam o tal trabalho invisível que está a ser feito e que nos vai permitir ter outra presença em certos setores do futebol.

Vietto

  • Houve uma proposta, mas não existiu vontade do Sporting CP em fazer o negócio, e ainda bem, porque o Vietto foi fundamental no jogo com o FC Porto. A proposta, de facto, existiu, mas não tivemos interesse em prosseguir as negociações.

Rafael Camacho

  • A proposta em causa não interessava ao Clube porque queriam o jogador emprestado por duas épocas, sem possibilidade do Sporting CP o chamar de voltar e não pagar nada por isso. Foi uma proposta sem futuro.

Stefan Ristovski

  • É uma questão interna do Clube e acho que o Rúben Amorim, melhor do que ninguém, já falou sobre ela. Será resolvida internamente dada a natureza da questão.
  Comentários