ANDRÉ BERNARDO SAI EM DEFESA DE MIGUEL AFONSO
No Jornal Sporting, administrador da SAD verde e branca destacou trabalho do companheiro de direção e lembrou que o mesmo "foi cobardemente agredido e viu os agressores cuspirem na cara da sua filha”
Tiago Jesus
Texto
7 de Maio 2021, 12:57
summary_large_image

André Bernardo saiu, esta sexta-feira, 7 de maio, em defesa de Miguel Afonso. No editorial do Jornal Sporting, o administrador da SAD verde e branca destacou o trabalho realizado pelo companheiro de direção nas modalidades e lembrou que “o seu carro foi apedrejado, foi cobardemente agredido e viu os agressores cuspirem na cara da sua própria filha”

Um agradecimento especial: “Obrigado, Miguel. Obrigado, futsal”

  • “Não podia deixar de enaltecer neste texto também a resiliência do meu colega de direção Miguel Afonso que tutela a pasta das modalidades. Neste caminho, o seu carro foi apedrejado, foi cobardemente agredido e viu os agressores cuspirem na cara da sua própria filha. Manteve-se firme, em nome do Sporting, quando tinha todas as razões para sair”.

Um percurso épico: “Remontada digna de um filme”

  • “O percurso do Futsal nesta edição tem algo de épico. Não apenas pela dimensão da vitória em si, mas por uma alteração de paradigma que ele também representa, pela presença de miúdos que são ainda juniores, pela cavalgada sobre os principais candidatos e por uma segunda parte com uma remontada digna de filme”.

O ADN da formação

  • “A vitória do futsal é também a vitória da consolidação de um modelo único e transversal ao Clube de aposta na Formação. Mas vai além disso, pois o nosso ADN é feito de várias moléculas das quais a Formação é uma delas. Ele é feito de um regresso dos valores que nos fazem Ser Sporting, que nos edificam e que nos permitem um caminho sustentável e não autodestrutivo”.

Um caminho sem populismos: “Caminho feito de um trabalho invisível”

  • “As soluções fáceis e imediatas são sempre mais sedutoras. Prometê-las é sempre mais fácil. Ceder aos interesses instalados e ao populismo também. Seguir o status quo e não combater o sistema é mais confortável. Trilhar o caminho do médio longo prazo, muitas vezes feito de um trabalho invisível até ele ver a luz do dia, é difícil”.

O inimigo? “Ele somos Nós”

  • “Em 1970, numa edição especial para a celebração do primeiro “Dia da Terra”, outra popular banda desenhada, chamada Pogo, criação do norte americano Walter Crawford Kelly Jr., imortalizaria a ilustração com a frase “Encontrámos o Inimigo, e ele somos Nós”. Nesta edição, Pogo observa uma floresta poluída de lixo”.
  Comentários