FOI DADO COMO 'MORTO', MAS RÚBEN AMORIM DEU-LHE UMA SEGUNDA VIDA E AGORA CHEGA A MARCO IMPORTANTE NO SPORTING
Jogador dos verdes e brancos está de regresso ao melhor momento de forma, fazendo as delícias dos adeptos
Redação Leonino
Texto
19 de Janeiro 2024, 12:17
Sporting, Paulinho, Francisco Trincão, Hjulmand, Gyokeres, Eduardo Quaresma, Pote, Vizela

O Sporting triunfou, na passada quinta-feira, 18 de janeiro, na deslocação a Vizela, com golos de Gyokeres (2), Paulinho, Francisco Trincão e Sebastián Coates. Todavia, Eduardo Quaresma, que realizou um excelente encontro, teve motivos para sorrir: o central de 21 anos completou o seu centésimo jogo enquanto jogador profissional.

Quaresma começou a jogar futebol no Fabril do Barreiro (cidade onde nasceu), e foi logo aos 9 anos que passou a representar as equipas Infantis do Clube verde e branco, realizando todo o percurso “padrão” até chegar aos escalões jovens que trabalhavam na Academia Cristiano Ronaldo.

Eduardo Quaresma começou como médio a sua aventura no Sporting, mas foi recuando até que chegou à defesa. O atleta agora de 21 anos tornou-se num dos jogadores mais prometedores da formação de Alcochete e foi internacional nos vários escalões jovens, atuando sempre na posição de central.

Foi na época 2019/20, quando ainda era Júnior, que o “menino” foi integrado na equipa de sub-23, onde jogou regularmente como titular. Foi promovido pelo treinador Rúben Amorim, e passou a trabalhar com a equipa principal, pela qual se estreou no recomeço, após a paragem fruto da COVID-19, do campeonato e logo como titular, num jogo em que o Sporting empatou em Guimarães.

Todavia, e depois de ter feito parte do plantel que conquistou o título, em 2020/21, Eduardo Quaresma foi perdendo espaço nas escolhas de Rúben Amorim, acabando por ser emprestado ao Tondela e, posteriormente, ao Hoffenheim.

Apesar de não ter tido grande sucesso nesses emblemas, o técnico do Sporting acreditou no ‘menino’ verde e branco e, desde o jogo com o Porto, em que foi titular, o mesmo tem crescido na hierarquia leonina, sendo utilizados em cinco dos seis jogos após o clássico.

  Comentários