"NÃO É UMA PORTA FECHADA. VAMOS VER!": CAMPEÃO PELO SPORTING PISCA OLHO AO BAYERN MUNIQUE
Atleta que venceu título com Rúben Amorim em Alvalade não descarta mudança para o plantel liderado por Vincent Kompany
Redação Leonino
Texto
1 de Junho 2024, 12:09
Sporting, Bayern de Munique, Vincent Kompany, Rúben Amorim

João Palhinha não fecha a porta ao Bayern de Munique. O médio formado no Sporting garante estar focado no Fulham, depois de mais uma temporada a um nível elevadíssimo, mas mostra ainda ter bem presente na memória a mudança falhada para a Bundesliga.

“Até agora as perspetivas são de continuar. No futebol nunca sabemos o dia de amanhã. Tenho sonhos, objetivos como jogador, desde que comecei a minha carreira sempre tive o sonho de jogar nos grandes palcos do futebol mundial, já tive uma oportunidade [proposta do Bayern Munique em janeiro], como é conhecido publicamente. Neste momento, ao dia de hoje, as perspetivas são no Fulham, mas vamos ver o que acontece”, disse, ao FlashScore.

“Não sei se é uma porta fechada ou não, isto no futebol é tudo muito incerto. Não posso dizer que seja uma porta fechada ou aberta. Também não me posso meter aqui numa posição dessas. Ao dia de hoje quero focar-me mais no Europeu porque é esse o objetivo que está presente, deixar uma boa imagem no Euro, depois tudo o resto virá por consequência disso”, terminou o médio campeão pelo Sporting.

Esta tempporada, ao serviço do Fulham, João Palhinha – avaliado em 55 milhões de euros – participou em 39 partidas (3.208 minutos), tendo apontado quatro golos e assistido os colegas de equipa numa ocasião, sendo uma das grandes figuras da turma orientada por Marco Silva, que garantiu a permanência na Premier League.

Recorde-se que, antes de rumar a Inglaterra por 22 milhões de euros, João Palhinha realizou 95 jogos com a Listada verde e branca, nos quais apontou sete finalizações certeiras. Pelo Clube de Alvalade, o internacional português conquistou um Campeonato Nacional (2020/21), duas Taças da Liga (2020/21 e 2021/22) e uma Supertaça Cândido de Oliveira (2021).

  Comentários