SOS RACISMO JÁ REAGIU AO CASO E METEU-SE AO BARULHO: EX SPORTING ESTÁ DE RASTOS E EXIGE JUSTIÇA
José Falcão, membro da direção da associação, defende leis mais apertadas e que condenações sejam efetivamente cumpridas
Redação Leonino
Texto
22 de Novembro 2023, 21:47

O avançado Youssef Chermiti, de 19 anos, recentemente transferido do Sporting para o Everton, relatou nas redes sociais ter sido alvo de insultos racistas por parte de um adversário no jogo entre Itália e Portugal, disputado em Sassuolo na terça-feira, referente à Liga de Elite de sub-20.

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) reagiu prontamente, anunciando num comunicado que irá reportar o incidente à UEFA, apesar de este ter ocorrido no estrangeiro. Contudo, a associação SOS Racismo alerta para a persistência destes comportamentos também em território nacional.

José Falcão, membro da direção da SOS Racismo, partilhou a sua preocupação em relação ao estado atual das punições em Portugal, afirmando que raramente os clubes são condenados, e quando o são, as penas são leves.

Em declarações ao Record, frisou a importância de medidas mais severas para dissuadir tais comportamentos: “Aconteceu em Itália, mas aqui em Portugal é a mesma coisa. Por exemplo, raramente os clubes são condenados e, quando são, é uma coisa leve. Se houvesse penas duras, e nalguns casos até há, mas é raro, as pessoas já pensariam duas vezes. Tem sido uma brincadeira”.

Na opinião de José Falcão, os verdadeiros responsáveis não são os que cometem esses atos, mas sim a estrutura que permite que tais incidentes sejam encarados com leviandade. Ele destaca a necessidade de reformas legislativas para garantir condenações efetivas e lamenta que as vítimas frequentemente se vejam como culpadas ao enfrentar tais ofensas.

“Não podemos achar que é normal. Nem aqui, nem lá fora”, acrescenta o responsável, admitindo que estes episódios têm maior impacto em jogadores jovens, como é o caso de Chermiti. “Muitos não estão preparados nem à espera que, num sítio onde se estão a divertir ou a cumprir o seu trabalho, apanhem e ouçam coisas destas”, concluiu.

  Comentários