CARTA BRANCA PARA AGREDIR ADEPTOS LEONINOS
Um dia depois do aniversário da morte de Rui Mendes no Jamor, Hélder Amaral e Gonçalo Fernandes, em declarações ao Leonino, apontam o dedo ao SL Benfica, mas também ao governo e ao próprio Sporting CP
Redação Leonino
Texto
19 de Maio 2020, 12:25

“A responsabilidade é do governo, nomeadamente da Secretária de Estado do Desporto, uma vez que não tem coragem para enfrentar o clube que, de acordo com a imprensa internacional, se confunde com o Estado, e estou claramente a falar do SL Benfica”. As palavras são de Hélder Amaral, antigo deputado do CDS/PP, que não tem dúvidas de que o Governo é o maior responsável por este tipo de ações continuarem a acontecer. Recorde-se que três adeptos do Sporting CP foram, este domingo à noite, 18 de maio, brutalmente agredidos por um grupo de 15 adeptos afetos ao SL Benfica.

“Trata-se de um caso de polícia. Resta-nos confiar e esperar que as autoridades cumpram o seu papel e que se mantenham atentas, uma vez que estamos a assistir a um clima de terror e alguma reincidência no que a este tipo de episódios concerne”, afirma ao Leonino Hélder Amaral.

Gonçalo Fernandes, gestor e empresário, para lá de lamentar mais um incidente de violência contra os adeptos verde e brancos, não compreende “o estado de impunidade em que vivemos e em que ser sócio do SL Benfica dá carta branca para se fazer o que se entende, visto que nunca são penalizados”. O comentador do Leonino não tem dúvidas de que, enquanto esta situação se mantiver, “vamos continuar a assistir a assistir a mortes de adeptos, como sucedeu com Rui Mendes e Marco Ficcini, e os adeptos do SL Benfica vão continuar a vangloriar-se desses crimes”.

Relações institucionais com quem não condena as agressões a Sportinguistas

“O que eu pergunto é como é possível o Sporting CP ter ainda relações institucionais com o SL Benfica? Sobretudo quando, e já não é a primeira vez que isto acontece, o nosso rival nem sequer condena este tipo de violência”, afirma Gonçalo Fernandes, não isentando de responsabilidades a atual direção do Sporting CP.

Por sua vez, Hélder Amaral não compreende a política de Frederico Varandas no que diz respeito à relação com as claques. “Quando a direção do Sporting CP, sem nenhum objetivo que se perceba, procura ‘guetizar’ uma parte dos seus adeptos que pertence às claques, no fundo está a abandonar um dos seus no terreno”, alerta.

  Comentários