SPORTING CHEGA À FINAL DA TAÇA CONTRA O PORTO COM... 11 METROS DE VANTAGEM
Leões e dragões medem forças este domingo, dia 26 de jogo, no Estádio Nacional
Redação Leonino
Texto
23 de Maio 2024, 17:50
Luís Neto, Trincão, Hjulmand, Nuno Santos, Esgaio, Inácio, Sporting, Manchester United, Rúben Amorim

No próximo domingo, dia 26 de maio, Sporting e Porto voltam a medir forças na final da Taça, no Estádio Nacional do Jamor, naquele que será o sexto duelo entre os rivais na decisão da prova rainha, e, que caso chegue a isso, poderá resultar num vencedor através dos 11 metros.

Nos últimos Clássicos entre leões e dragões – tanto na Taça como na Taça da Liga – as equipas têm sido experts em desempates por grandes penalidades, com os verdes e brancos a levarem uma vantagem clara neste parâmetro ao longo das últimas temporadas, tendência esta que espera manter no domingo, caso haja essa necessidade. Pelo contrário, a turma comandada por Paulo Conceição quererá contrariar a ‘maldição’.

É importante destacar que mesmo antes de Rúben Amorim chegar a Alvalade, os leões tiveram registos positivos em desempates a partir da marca de penálti contra os azuis e brancos. O Sporting leva a melhor sobre o rival nortenho há quatro decisões consecutivas (duas vezes em 2018/19, e, também, em 2017/18), sendo que o episódio mais recente acaba por ser a final no Jamor, em 2018/19.

A verdade é que os leões já não sabem o que é perder numa decisão destas desde 2008/09, quando caíram na final da Taça da Liga diante do Benfica. Desde então, tudo mudou. A partir de 2014/15, após um triunfo com a reviravolta contra o Braga no Jamor, o Sporting somou cerca de oito vitórias seguidas em desempates por penáltis, a mais recente na época 2022/23, já com Amorim ao comando do plantel, na eliminatória com o Arsenal, na Liga Europa.

Numa análise geral sobre os penáltis que Sporting e Porto tiveram em 2023/24, é visível uma clara superioridade da turma orientada por Amorim. O emblema de Alvalade dispões de 13 grandes penalidades a seu favor e concretizou 12 deles, uma vez que apenas Gyokeres falhou um deles, contra o Rákow. Mesmo assim, o avançado sueco completou com sucesso oito castigos máximos, seguido de Pedro Gonçalves (2), Nuno Santos e Marcus Edwards (ambos com 1).

  Comentários