AUMENTOS SALARIAIS EM ALVALADE GERAM DESCONTENTAMENTO
Dia de ontem marcado por reuniões para anúncio de subida de ordenados. Este é um exclusivo Leonino
Duarte Pereira da Silva e Redação Leonino
Texto
23 de Janeiro 2020, 08:44
summary_large_image

Os funcionários do Sporting CP ficaram negativamente surpreendidos pelos aumentos salariais propostos pela Direção do Clube e Administração da SAD durante o dia de ontem (22 de janeiro).

Quarta-feira prometia ser um #DiaDeSporting para os funcionários do Sporting CP e da Sporting SAD. Para o efeito, foram marcadas várias reuniões entre chefias e colaboradores para serem comunicados os aumentos a cada um. As expetativas eram altas, na medida em que a promessa de mexer nas condições já vinha longa, concretamente logo depois da tomada de posse da Direção de Frederico Varandas, ainda em 2018. Na altura, num processo liderado pelo administrador Miguel Cal, incluiu-se no discurso da reunião magna motivacional a política salarial, a necessidade de aumentar os ordenados de todos os colaboradores, o benchmark (ou comparação) com os rivais e a encomenda de um estudo a uma entidade externa para encadernar esse manual de arregimento de tropas.

“Tanto tempo, tanta promessa e agora isto! Estão a aumentar dez, 20, 30 euros no ordenado a cada pessoa”, ouviu o Leonino junto de um funcionário do Clube, que pediu o anonimato para evitar problemas futuros. “O descontentamento é geral”, concluiu. Outras pessoas contactadas pelo nosso jornal confirmam-no e garantem que o dia foi agitado.

Por falta de condições financeiras, o Sporting CP e a Sporting SAD já vinham a adiar o aumento salarial há algum tempo. Agora, na semana em que equipa de futebol viu Braga por um canudo, sem se socorrer do estudo que engloba a propalada política salarial, concretizaram-se os aumentos.

A juntar à demora e à insatisfação dos valores em cima da mesa, todos os colaboradores sabem o que uns e outros ganham. Como é do conhecimento público, os ordenados do mundo inteiro no Sporting CP, incluindo jogadores do futebol profissional e das modalidades, foram vazados seletivamente na comunicação social através do relatório da auditoria de gestão realizado pela Baker Tilly. “Há pessoas que andam à procura de emprego e nas entrevistas nem podem puxar o ordenado um bocado para cima. Toda a gente sabe o que ganhamos, e que é uma miséria”, revelou uma funcionária com muitos anos de casa. Ao Leonino, o Sporting CP não quis comentar.

‘Rádio Alcatifa’ está no ar há muitos anos

Os aumentos foram o tema dominante de ontem nos corredores e nas zonas comuns nos escritórios do Estádio, com as queixas sobre as injustiças, as ameaças de demissão e as comparações entre ordenados e aumentos a dominarem o tempo de antena da conhecida ‘Rádio Alcatifa’, que tanto sucesso faz nas empresas, e ainda mais nos clubes.

No Sporting CP, o tema nem é novo e não chegou com a Direção de Frederico Varandas. Nem pelo lado dos ordenados, nem pelo lado do descontentamento. “Como é que era antes? Era igual”, repetiu mais do que uma vez, um dos funcionários que falou com o Leonino. “As pessoas queixavam-se na mesma e diziam mal de tudo na mesma”.

A ‘faca’ dos colaboradores fica mais afiada para a atual Direção quando recordam os aumentos significativos das remunerações do Presidente e da administração da SAD, que a própria autorizou no passado recente, usando para tal o voto do Clube em Assembleia Geral da Sporting SAD, que garante maioria absoluta em qualquer decisão. Os novos salários e prémios aprovados aumentaram em cerca de 45% as condições da administração remunerada da cotada leonina. Porém, os dirigentes decidiram suspender nessa mesma Assembleia Geral o aumento a que teriam direito.

Também nessa altura, em declarações a vários órgãos de comunicação, Francisco Salgado Zenha, vice-presidente e administrador da SAD, disse que “não podemos ter, por exemplo, jogadores de futebol muitíssimo bem pagos e toda a gente que está nos bastidores – e que possibilita o bom desempenho dos jogadores no campo – insatisfeita, desmotivada e a ser mal paga. (…) Tem de haver ajustamentos nos bastidores, nos administrativos, nos quadros, nos colaboradores”.

  Comentários