"ESTÁ A FICAR CADA VEZ MELHOR": AUGUSTO INÁCIO RENDIDO A JOGADOR DO SPORTING
Antigo treinador dos leões explica motivos que levaram ao sucesso dos verdes e brancos
Redação Leonino
Texto
23 de Abril 2024, 07:28
Augusto Inácio, Sporting

Augusto Inácio crê que o Sporting “ganhou bem” frente ao Vitória de Guimarães. O antigo técnico dos leões explica que, para bater os minhotos, Viktor Gyokeres, Geny Catamo, Francisco Trincão, Pedro Gonçalves e Daniel Bragança – a quem deixa muitos elogios – foram fundamentais.

“Nos primeiros 20 minutos foi um jogo lento, sem grandes expectativas de golo. O Sporting foi jogando devagar e dando alguma velocidade quando podia, mas notou-se claramente que o Vitória de Guimarães não queria fazer golos. O Sporting começou a aumentar o ritmo, foi variando de jogo, enquanto apareciam Catamo e Trincão, com Gyokeres a dar as suas sapatadas no jogo, Pote muito criativo”, disse, ao jornal A Bola.

“O Sporting depois faz um golo precisamente por Pote, numa excelente jogada coletiva e com a entrada de Bragança que a cada jogo que faz está a ficar cada vez melhor”, garante Inácio antes de terminar, admitindo que “o Sporting acabou por ganhar bem este jogo, sem grandes dificuldades e o Vitória foi uma sombra daquilo que chegou a apresentar. 

Esta temporada, Daniel Bragançaavaliado em 5 milhões de euros – leva 42 encontros realizados: 24 na Liga Portugal Betclic, nove na Liga Europa, seis na Taça de Portugal e três na Taça da Liga. Ao longo dos 1.837 minutos que disputou, o médio verde e branco conta com cinco golos e três assistências, sendo peça muito importante para Rúben Amorim.

Ao todo, com a Listada verde e branca, Daniel Bragança leva 103 encontros, sete finalizações certeiras, cinco assistências e três títulos conquistados: um Campeonato Nacional (2020/21) e duas Taças da Liga (2020/21 e 2021/22). O médio tem contrato com os leões até junho de 2027 e uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros.

Confira aqui este desafio com os craques do Sporting, Daniel Bragança, Francisco Trincão e Nuno Santos:

  Comentários