TAKE 2: SÃO 30 MIL EUROS. ‘PILIM’ ACERTADO, MAS NÃO PAGO
Tânia Laranjo combinou pagar 30 mil euros a Paulo Silva pela entrevista, mas como o denunciante não falou de André Geraldes, não houve pagamento. Exclusivo Leonino
Redação Leonino
Texto
19 de Novembro 2020, 15:30
summary_large_image

Tânia Laranjo combinou pagar 30 mil euros a Paulo Silva, em troca de uma entrevista exclusiva. Seriam 20 mil euros se falasse de futebol e 10 mil se falasse de andebol. Como não obteve do entrevistado a informação que queria, que passaria por falar de André Geraldes, a jornalista do Correio da Manhã (CM) não deu seguimento ao pagamento. O Leonino teve acesso, em exclusivo, ao Apenso das Transcrições que está anexo ao processo Cashball, que contém informações explosivas.

Tudo foi tratado entre três partes. A saber. A jornalista, o denunciante e o seu advogado, Carlos Macanjo, figura central na negociação dos 30 mil euros com Tânia Laranjo, que inclusive garantiu a Paulo Silva que “isso que acertámos não é consigo, o que acertámos está tudo tratado com o seu advogado”.

E o que estava acertado concretamente? De acordo com Carlos Macanjo, em conversa telefónica de 8 de maio de 2018 com Paulo Silva, “o que ela (Tânia Laranjo) me disse é que tinham contratualizado consigo 30 mil euros, certo? E que você falaria do futebol e do andebol, sendo que o andebol eles pagariam 10 mil e do futebol eles pagariam 20 mil”. Só que depois da entrevista, a jornalista do CM entendeu não ter obtido as respostas que queria. Segundo o advogado do denunciante, “entretanto ela diz que você na entrevista não quis falar de futebol”, ficando assim o pagamento por fazer.

“Eles concordaram plenamente com o que eu propus”

Estupefacto com a situação, Paulo Silva retorquiu, pedindo ao seu advogado: “Diga-lhe que tem de fazer a transferência hoje, mais nada, era o que estava combinado, já devia ter sido ontem, e agora ela não me disse nada antes, eles concordaram plenamente com o que eu propus e não falaram em alteração de nada”.

Segundo SMS intercetado pela Polícia Judiciária, o ‘pilim’ até seria pago na Invicta. Paulo Silva enviou uma mensagem a Carlos Macanjo a explicar que ia “dar a entrevista hoje (7 de maio de 2018), mas só entrego o áudio depois do pagamento. Amanhã, vou ao Porto buscar o pilim e depois entrego o áudio. O Rui vai comigo, mas não sabe valores”.

 

Conversa telefónica entre Paulo Silva e Tânia Laranjo, 7/5/2018 às 9h35m

Paulo Silva (PS): Olhe, eu vou sair daqui a um bocadinho para aí.

Tânia Laranjo (TL): Ai faz hoje então?

PS: Faço.

(….)

PS: Vai um amigo comigo, não vamos falar em valores, não vamos falar em nada disso, está bem?

TL: Sim. Isso que acertámos não é consigo, o que acertámos está tudo tratado com o seu advogado.

(…)

TL: Diga-me uma coisa, fazemos então a entrevista, é isso?

PS: Sim

(…)

TL: Aquele áudio está tratado, conseguiu?

 

Mensagem escrita entre Paulo Silva e Carlos Macanjo, 07/05/2018 às 9h54m

Paulo Silva: Vou dar a entrevista hoje, mas só entrego o áudio depois do pagamento. Amanhã, vou ao Porto buscar o pilim e depois entrego o áudio. O Rui vai comigo, mas não sabe valores”.

 

Conversa telefónica entre Paulo Silva e Carlos Macanjo, 8/5/2018 às 11h05m

Paulo Silva (PL): Já fiz aquilo.

Carlos Macanjo (CM): Pelos vistos não, falei com ela (Tânia Laranjo) e ela disse-me que não. Que relativamente aquilo que a gente tinha combinado, que não cumpriu nada.

PS: Não foi isso que ela me disse, mas ok.

CM: O que ela me disse é que tinham contratualizado consigo 30 mil euros, certo? E que você falaria do futebol e do andebol, sendo que o andebol eles pagariam 10 mil e do futebol eles pagariam 20 mil. E que você relativamente ao futebol não falou nada.

PS: Não. Falei tudo do Freire.

CM: Do Freire?

PS: Sim, tudo, inclusive valores.

CM: Mas não é isso que ela me diz.

PS: Mas foi isso que falei, tudo. Inclusive valores.

CM: Ela o que me disse é que você de futebol não quis falar nada, que se cortou, que disse que era mentira.

(…)

CM: Pois, mas o que ela me disse foi o que tinham acordado: que se falasse do futebol eram 20 mil euros e se falasse de andebol pagariam 10 mil euros e que queria garantir o exclusivo das coisas. Entretanto ela diz que você na entrevista não quis falar de futebol.

(…)

PS: E eu falei do Freire, contei a história toda do Freire e falei do andebol, não percebo qual é o problema dela.

(…)

PS: Eu disse-lhe a ela que lhe garantia o exclusivo, “ah e tal quando isto rebentar vai ter muita gente à volta de si”. Eu garanto-lhe o exclusivo, mas tem de pagar.

CM: Olhe, diga-me o que quer que eu lhe diga para por um ponto final na situação senão andamos a discutir o sexo dos anjos.

PS: Diga-lhe que tem de fazer a transferência hoje, mais nada, era o que estava combinado, já devia ter sido ontem, e agora ela não me disse nada antes, eles concordaram plenamente com o que eu propus e não falaram em alteração de nada.

 

Leia também:

Take 1: Caça ao homem

  Comentários