NULO EM MOREIRA DE CÓNEGOS
Sporting CP não conseguiu ir além de um empate a zero frente ao Moreirense FC, com polémica à mistura no final da partida
Maria Pinto Jorge
Texto
6 de Julho 2020, 23:14
summary_large_image

No jogo que encerra a 30.ª jornada da Liga NOS, Sporting CP e Moreirense FC estavam frente a frente em Moreira de Cónegos. Com ambas as equipas a virem de bons momentos, os leões com quatro triunfos consecutivos e o Moreirense sem perder há 11 partidas. No entanto, as equipas não conseguiram ir além de um empate a zero, ainda que a superioridade leonina tenha sido evidente nos segundos 45 minutos e marcada por uma grande penalidade por assinalar já nos descontos.

Com 29 graus no início do encontro, a partida já não se previa fácil. Além do adversário, teriam de lidar com o calor. Rúben Amorim, treinador dos leões, optou por fazer quatro alterações no onze inicial e muitas surpresas. Com Luís Neto a regressar à titularidade – sete jornadas depois, o central não era titular desde dia 3 de março – e Marcos Acuña e Jovane Cabral recuperados de lesão. Eduardo Quaresma e Francisco Geraldes não se encontram nos convocados leoninos, notando-se o regresso de Rosier aos escolhidos. Enquanto do outro lado, uma cara conhecida: Abdu Conté, atleta formado na Academia Sporting.

O início da partida viu-se retardado. A rede de uma das balizas estava com problemas e teve de ser o capitão leonino, Sebastián Coates, a resolver o problema.

Numa primeira parte sem grandes avanços, foi mesmo Neto a tentar lançar Plata em velocidade (2’), com o passe a sair muito longo, que o começou o ataque verde e branco.

Aos cinco minutos, Jovane Cabral combina com Plata, que quase fica isolado na cara de Pasionato, guarda-redes do Moreirense, que acaba por não resultar, apesar da qualidade do lance executado pelos dois leões.

Nestes primeiros 11 minutos, a pressão intensa do Moreirense dificultava a primeira fase de construção do Sporting CP. O jogo continuava com poucos avanços, mas muitas falhas de lado a lado e, à passagem pela meia hora, o encontro era mesmo caraterizado pela quantidade (em exagero) de faltas.

À passagem pelo minuto 37, Coates perdeu uma grande oportunidade. Uma tremenda cabeçada no coração da área, acabou por sair por cima.

Ao final dos primeiros 45 minutos, a partida contava com quatro amarelos, dois para cada conjunto. De ressalvar que, nesta primeira parte, nenhuma das equipas acertou na baliza e que o Moreirense se superiorizou no número de remates: cinco para os homens da casa e dois para os de Alvalade.

Sem alterações no regresso dos balneários, o encontro continuou intenso no que toca à parte física. Por isso mesmo, aos 51 minutos, cartão vermelho para Halliche que, ao deixar Plata isolado, recorreu à falta para evitar o ataque do equatoriano.

Em superioridade numérica, os leões começaram a crescer na partida. Tiro de Jovane (55’), na cobrança de um livre, com falta de assertividade, a passar por cima.

Aos 61 minutos, entrada Wendel e Nuno Mendes. Na tentativa de os leões conseguirem mais bola e profundidade.

O Sporting CP começou a encostar o Moreirense às cordas e, aos 69 minutos, um remate forte de Sporar, quase sem ângulo, obrigou Pasionato a uma defesa complicada.

Já nos descontos, aos 90’+6, após canto dos leões, Coates cai na área, após agarrão de Djavan. Um lance polémico, em que o árbitro Tiago Martins resolve ir ao VAR, mas considera que não era suficiente para o castigo máximo, ainda que os leões reclamem o contrário. Um Sporting CP muito superior na segunda parte do encontro, com estes a trazerem apenas um ponto para Alvalade, quando poderiam ter levado mais dois, sobretudo com o lance que marca o final da partida.

Leões estão agora a 11 pontos do Benfica e têm três de vantagem sobre o SC Braga, a quatro jornadas do fim da Liga Nos.

Na próxima jornada, o Sporting CP recebe o Santa Clara, no Estádio José Alvalade, já esta sexta-feira (10 de julho), pelas 19h15.

Fotografia de Record.

  Comentários