“TENHO CONSCIÊNCIA DE QUE NÃO POSSO ADORMECER”
Em entrevista ao jornal Record, Jovane Cabral abordou ainda o período em que esteve afastado da equipa devido a inúmeras lesões
Redação Leonino
Texto
14 de Junho 2020, 11:41

Jovane Cabral é o homem em destaque no reino do leão. Com Rúben Amorim, nos últimos dois jogos, o extremo marcou um golo e fez uma assistência. Este domingo, 14 de junho, o jovem, que hoje celebra 22 anos, concede uma entrevista ao jornal Record aborda o excelente momento de forma que atravessa, mas também sobre a relação que continua a ter com Bruno Fernandes e ainda o período em que esteve afastado da equipa devido a inúmeras lesões.

“Nunca desisti de nada. Sempre acreditei que, trabalhando bem e seguindo as instruções do míster, a minha hora chegaria. Chegou, mas mais complicado agora é manter. Há muita qualidade na equipa, tanto nos mais velhos como nos mais jovens. É trabalho a dobrar para conseguir manter”, começou por referir Jovane Cabral.

Sobre o golo conseguido na partida diante do Paços de Ferreira, o jovem de 22 anos confessa que ficou muito feliz, mas destacou a importância dos colegas: “Fiz um golo que valeu os três pontos para o Sporting CP. Estou muito contente com isso, mas só foi possível com a ajuda dos meus companheiros. O que gostava de receber hoje? O mesmo que tenho recebido da minha família e amigos: amizade e confiança em mim. Dou muito valor a isso”.

No entanto, apesar de afirmar que se sente muito bem, o extremo tem a “consciência de que não pode adormecer” fruto da qualidade do plantel leonino. Quanto ao período em que esteve fora da equipa por estar lesionado, Jovane recorda que se sentia “triste por ver os outros treinar e jogar e eu não poder. Queria, mas não podia… As pessoas tinham razão quando me aconselharam e trataram. Já passou e estou feliz outra vez”.

Relativamente ao bom rendimento que tem tido desde que Rúben Amorim é o treinador, Jovane afirma que tenta “sempre corresponder àquilo que o treinador pede. Há que ter atenção nos treinos e compreender o que o míster pede. Depois é ir para o jogo e cumprir, seja qual for a tática”.

“Para haver confiança tem de haver responsabilidade”

No momento de festejar o golo diante dos castores, Jovane “imitou” o festejo de Bruno Fernandes e, agora, explica a razão de o ter feito: “Depois de marcar, fiz o gesto que o Bruno fazia, porque ele me deu muito moral antes do jogo, só por isso. É um amigo. Mas se o Wendel não tivesse sofrido a falta, não havia livre… Posso dedicar o golo ao Bruno, porque me deu sempre muito moral, mas devo o golo à equipa toda”.

Todavia, o extremo destaca também que contou com a ajuda de outros colegas, nomeadamente Mathieu, Acuña e Vietto: “Nós treinávamos e continuamos a treinar esses lances. O míster explicou isso depois do jogo. É verdade que aprendi coisas com ele, mas com o Mathieu, Acuña e o Vietto também”.

Por fim, Jovane considerou que “para haver confiança, tem de haver responsabilidade. Combinámos que era eu que marcava. Assumi e felizmente correu bem. Se fosse o Marcos a bater, também podia ter sido golo. Todos confiamos muito uns nos outros e isso é bom para todos”.

Jovane Cabral está no Sporting CP desde 2014. A estreia pela equipa principal aconteceu a 12 de outubro de 2017, numa partida referente à 3.ª eliminatória da Taça de Portugal, diante do ARC Oleiros. O extremo foi lançado por Jorge Jesus aos 79 minutos.

Em 2018/2019, Jovane teve a sua temporada de afirmação com o leão rampante ao peito (31 jogos e quatro golos). Na presente época, depois de ter debelado algumas lesões, o jovem leão realizou 13 jogos pela equipa principal – mais dois pelos sub-23 – e marcou dois golos.

Fotografia de Sporting CP

  Comentários