“TENHO SAUDADES DE ESTAR NA CASA DAS NOSSAS MODALIDADES”
Miguel Afonso, membro do Conselho Diretivo do Sporting CP, abordou o panorama das modalidades leoninas, em entrevista exclusiva ao Jornal Sporting
Redação Leonino
Texto
14 de Maio 2020, 12:13

Em entrevista exclusiva ao Jornal Sporting, Miguel Afonso, membro do Conselho Diretivo do Sporting CP, abordou o momento atual do clube, falou das modalidades e previu o regresso forte dos leões. Devido ao surto da pandemia, que obrigou à suspensão de todos os eventos desportivos, Miguel Afonso disse que o mais difícil tem sido estar longe de “casa”: “O maior problema têm sido mesmo as saudades de estar na casa das nossas modalidades (Pavilhão João Rocha), perto das equipas, com os nossos leões”.

O membro da direção leonina com o pelouro das modalidades revelou que tem estado sempre em contacto com os atletas e as equipas e que o momento de tensão só serve para unir mais a nação Sportinguista. Quanto à época que teve um final antecipado: “O balanço é muito positivo. Estávamos em boa posição na luta pelos títulos nacionais das cinco modalidades de pavilhão e dependíamos apenas de nós em todas elas. Tenho dúvidas de que mais algum Clube possa dizer o mesmo”, frisou Miguel Afonso.

Os leões estavam, até à paragem dos campeonatos, encontravam-se em todas as frentes nas diferentes modalidades de pavilhão, sendo que a interrupção forçada prejudicou muito o Clube leonino. Na entrevista ao Jornal Sporting, o membro da direção verde e branca afirmou sem medos que “desde o dia em que os campeonatos pararam, o Sporting CP foi claramente o Clube que mais lutou, desde logo junto das diferentes federações, para que os campeonatos fossem disputados até ao limite das possibilidades”, afirmou.

Relativamente à próxima temporada, Miguel afirmou que efetivamente vai haver um corte nas modalidades (LER AQUI): “É inevitável uma reestruturação dos orçamentos perante o impacto da realidade que vivemos”. Tal como no futebol, a estratégia do Clube para a próxima temporada das modalidades passa também pela aposta na formação: “Temos, na formação, de criar condições e infraestruturas para transmitir a verdadeira cultura Sporting”.

Contudo, Miguel Afonso revelou que a aposta nos jovens não pode ser pontual, mas sim que faz parte do código genético do Sporting CP. “Por aqui, pela formação, passa naturalmente a sustentabilidade do Clube. Nenhuma dúvida quanto a isso”.

Por fim, abordou o Basquetebol. A modalidade regressou ao Pavilhão esta época e o Sporting CP estava até então na liderança do campeonato. “Tínhamos tudo para chegar ao título nacional e fazer história”, concluiu Miguel Afonso, deixando o alerta de que o sonho não caiu este ano e que apenas foi adiado para maio de 2021.

  Comentários