TREMENDA GOLEADA EM CARCAVELOS
Sporting CP venceu, esta tarde, o CRC Quinta dos Lombos por 11-1. Os golos leoninos foram marcados por Pany Varela, Erick Mendonça (3), Cavinato (2), Pauleta, João Matos, Zicky, Merlim e Rocha
Maria Pinto Jorge
Texto
7 de Outubro 2020, 19:40
summary_large_image

Esta tarde de quarta-feira, 7 de outubro, foi dia de segunda jornada da Liga Placard, em Carcavelos. Os pupilos de Nuno Dias deslocaram-se até ao reduto do CRC Quinta dos Lombos, onde venceram por 11-1. Os marcadores do Sporting CP foram Pany Varela, Erick Mendonça (3), Cavinato (2), Pauleta, João Matos, Zicky, Merlim e Rocha.

Depois de uma vitória sofrida na primeira jornada, também frente a uma equipa da linha de Cascais, a equipa verde e branca optou por iniciar a partida com Guitta, João Matos (C), Cavinato, Alex Merlim e Cardinal para a bola de saída, entrando logo de seguida um novo quarteto: Erick Mendonça, Pauleta, Mamadú Ture e Pany Varela.

Nem um minuto corria e, Pany Varela, a encontrar o buraco da agulha, abriu o marcador, logo no segundo ataque da partida. Aos três minutos, a pressão do Sporting CP prosseguia, desta vez pelo pé de Pauleta, obrigando Paulo Pereira, guarda-redes da equipa da casa, a defesa apertada.

À passagem pelo minuto quatro, sem ninguém na oposição, Erick faz o 2-0 sem qualquer dificuldade, após passe de Cavinato. O contra-ataque leonino demonstra-se mais agressivo fisicamente e com mais armas para surpreender a equipa da casa.

No entanto, nos minutos que se seguiram, os Lombos mantinham-se à procura do golo e sem descorar o ataque. Primeiro Rúben Santos (5’) para defesa de Guitta e, depois, Ivo Oliveira (6’) a rematar ao lado.

Do outro lado, a equipa de Listada verde e branca respondia aos ataques. Com Cardinal e Merlim na quadra, os leões podiam mesmo já ter aumentado por duas vezes a vantagem à passagem pelo minuto sete da partida (7’).

No entanto, quem acabou por marcar foi mesmo a equipa de Carcavelos. Guitta não foi capaz de segurar a bola, após um bom roubo de bola de Rúben Santos que, na recarga, faz o 2-1 (9’). Uma falha defensiva dos comandados de Nuno Dias que ditaram uma reação positiva por parte dos Lombos. Logo de seguida, num lance semelhante, João Matos conseguiu evitar males maiores.

À passagem pelos 11 minutos, Cavinato ampliou a vantagem num momento decisivo. Mais um roubo de bola de Merlim, em que, depois, o número 17 dos leões apenas teve de bater o guardião da equipa da casa. Estava feito o 3-1.

Os verdes e brancos, nesta primeira parte, continuavam a utilizar a recuperação de bola no contra-ataque como um dos seus maiores trunfos. Com a equipa de amarelo a jogar com Ludgero Lopes – atleta formado no Clube de Alvalade – e Júnior na quadra, dois dos melhores marcadores da Liga Placard da época passada, com o objetivo de pressionarem a defesa leonina, os alas do Sporting CP encontravam-se o mais atentos possível para esses roubos de bola que, regra geral, geraram grande oportunidades ou até mesmo golos. Algo que voltou a acontecer, com Pany Varela a recuperar a bola, ainda que Cardinal tenha falhado o passe (12’).

Após pausa técnica pedida pela equipa da casa (13’), as atenções dos Lombos viraram-se para o seu número 10, Ludgero, notando-se claramente que o mesmo tinha a tarefa de marcar. Assim, aos 15 minutos de jogo, o atleta formado em Alvalade rematou à baliza, mas a bola acabaria por sair sem força, para defesa de Guitta.

De seguida, Erick rematou com perigo após canto para os leões (16’) e, de forma ainda mais flagrante, Cardinal desaproveita uma bola de Merlim bem perto da baliza. Pouco tempo depois, Nuno Dias dá minutos a Mamadu que, recém-entrado, volta a colocar o guarda-redes Paulo Pereira em dificuldades (17’). As bolas paradas, já normalmente associadas a golos leoninos, tornaram-se uma grande ameaça nos últimos minutos da primeira parte, fazendo com que o Quinta dos Lombos não conseguisse ter bola nem sair da sua área. Os leões totalmente por cima nesta altura.

No final dos primeiros 20 minutos, ainda faltava um golo: Pauleta foi o autor. Depois de um grande trabalho entre o número 20 do Sporting CP, Pany Varela e Rocha, estava feito o 4-1 na ida para os balneários.

No regresso para a segunda parte do encontro, os leões voltaram a entrar mais fortes e aguerridos. Cardinal, que se tem mostrado numa forma tremenda neste início de campeonato, fez a rotação para o golo, mas a bola bateu num defesa dos Lombos e saiu (24’) e, logo de seguida, Pauleta ficou muito perto de bisar.

Como a mão cheia teria de chegar e, como referido acima, as bolas paradas são sinónimo de perigo extremo, Cavinato bisou, na cobrança de um livre, meteu a bola no ângulo ao decorrer do minuto 26. Mesmo assim, o capitão leonino estava à espreita e, ainda sem o nome no marcador, o mesmo não quis ficar de fora. Praticamente no lance seguinte, João Matos, assistido por Rocha, apenas teve de encostar (27’). 6-1 para o Sporting CP, numa altura em que a equipa da casa até parecia melhor na defesa.

Ainda que os leões pudessem acalmar o ritmo, devido a uma almofada no resultado bem confortável, tal não é o espírito desta equipa. Com os Lombos a jogarem em 5 para 4, com Gonçalo Sobral na frente, à meia hora de jogo Guitta aproveitou a baliza vazia para colocar a bola na frente, onde estava Erick que, de cabeça, apenas encostou para o seu bis.

Já sem Guitta na baliza, mas com Tomás Paçó, o restante tempo da partida foi mesmo com a equipa da casa a desgastar os verdes e brancos, com o guarda-redes avançado. Desgaste esse que, verdade seja dita, serviu, ainda, para o treino dessa mesma forma defensiva.

Ainda assim, Erick não estava satisfeito com o bis e apostou no hat-trick. Cardinal recuperou a bola, que acabou por sobrar para o número oito dos leões e, com a baliza aberta, este só teve de rematar para o 8-1. O marcador, no entanto, estava longe de estar fechado. Zicky, aos 37 minutos, marcou e, logo aos 38, Merlim decidiu estrear-se mesmo no final, fazendo duas mãos de golos.

Quando se pensava que o marcador já estava fechado, Rocha mostrou-nos o contrário. Mamadu remata e a bola bate na barriga do brasileiro, acabando por entrar na baliza, de forma a fechar o resultado em 11-1.

Com mais três pontos no bolso, os comandados de Nuno Dias regressam, na próxima jornada, ao Pavilhão João Rocha, para receberem a AD Fundão, dia 11 de outubro, pelas 18h00, em jogo a contar para a terceira jornada da Liga Placard.

  Comentários