LEÃO FOI REI NA TAÇA DA LIGA (VEJA AQUI O GOLO)
Sporting CP venceu SC Braga, por 1-0, e conquistou a prova pela terceira vez na sua história. Pedro Porro apontou o golo da turma de Alvalade
Duarte Pereira da Silva
Texto
23 de Janeiro 2021, 21:43
summary_large_image

O Sporting CP conquistou, este sábado, 23 de janeiro, a Taça da Liga pela terceira vez na sua história. Na final da competição, os leões bateram o SC Braga, por 1-0, com golo de Pedro Porro, aos 41 minutos. Veja AQUI como decorreu o encontro.

A bola da final chegou através de um robot, com um patrocínio pomposo. Será esta a valorização da Taça da Liga que Pedro Proença tanto apregoa? Talvez um lugar nas competições europeias para o vencedor da prova fosse mais significativo do que cerimonias de abertura em realidade aumentada.

O encontro começou sob chuva intensa e eram raras as zonas em que a bola rolava sem qualquer problema. O primeiro sinal de perigo foi dado pela turma de Alvalade, com Jovane Cabral, depois de tirar dois adversários do caminho, a dar para João Mário, que atirou por cima da baliza defendida por Matheus.

De resto, nos primeiros 10 minutos, essa foi mesmo a única nota de registo no embate entre arsenalistas e leões. Para lá de um canto para cada lado, pouco mais havia a assinalar. Como é habitual nas finais, as equipas pareciam estar numa fase de estudo mútuo.

Aos 24 minutos, Tiago Martins exibiu cartão amarelo a Jovane Cabral, quando, de facto, o jovem avançado leonino é que foi carregado em falta. O árbitro foi mais sensível ao saltitante banco do SC Braga. Logo de seguida, aos 28’, e já depois de Jovane e Pedro Gonçalves terem sido abalroados, foi a vez de Sequeira, por trás, ‘varrer’ Tiago Tomás. Nestes três casos, Tiago Martins mudou o critério e entendeu não existirem motivos para a amostragem de qualquer cartolina.

Com mais de 30 minutos disputados, Matheus quis dar uma ‘perninha’ no setor artístico e simulou um pisão de Jovane, tentando expulsar o avançado leonino. Aos 32’, Sequeira voltou a carregar Tiago Tomás em falta e, finalmente, viu o cartão amarelo. Na sequência deste lance, Tiago Martins, seguindo as indicações de Manuel Mota, exibiu cartão vermelho a Rúben Amorim e Carlos Carvalhal.

Aos 36 minutos, foi a vez de Fransérgio atingir Tiago Tomás na face, obrigando ‘TT’ a ser assistido ao sobrolho. O árbitro marcou falta contra o Sporting CP. Segundo tem sido veiculado, os leões estarão interessados em Paulinho, mas, pela amostra, os jogadores bracarenses é que pareciam interessados em levar o avançado verde e branco para casa. No minuto seguinte, Fransérgio, em posição irregular, apareceu na cara de Adán. Ainda assim, o guardião espanhol fez questão de defender.

Mesmo em cima do intervalo, aos 41’, surgiu o golo verde e branco. Gonçalo Inácio – com um passe digno de Franz Beckenbauer – descobriu Pedro Porro no corredor direito. O espanhol, na cara de Matheus, não se fez rogado e rematou cruzado para o fundo das redes. Estava inaugurado o marcador.

Ainda antes do final do primeiro tempo, Pedro Gonçalves quis dar um toque de magia à primeira parte. O ‘Harry Pote’ tirou quatro adversários do caminho – Castro e Al Musrati ainda estão perdidos em Leiria – e fez mira à baliza bracarense, mas o remate saiu fraco.

E foi assim, com os leões na frente, que as equipas recolheram aos balneários. Uma primeira parte nem sempre bem jogada, mas em que o Sporting CP foi impondo a sua lei e, por isso, o resultado aceita-se.

Ao intervalo, Rúben Amorim lançou Nuno Santos para o lugar de Jovane Cabral. O autor dos dois golos verdes e brancos na meia-final não esteve mal, mas o técnico leonino preferiu proteger Jovane a uma possível expulsão, uma vez que já tinha cartão amarelo. Do lado do SC Braga, Carlos Carvalhal lançou Paulinho, retirando Abel Ruiz do jogo.

No arranque do segundo tempo, a contenda, fruto do estado do relvado, mais parecia um campo de batalha. Eram inúmeros os duelos individuais, acabando, quase sempre, com o apito do árbitro. Neste sentido, os treinadores iam refrescando as suas equipas. Do lado leonino, Šporar rendeu Tiago Tomás. Nos arsenalistas, Castro deu o lugar a Iuri Medeiros.

Aos 65 minutos, Pedro Gonçalves aproveitou um ressalto e apareceu na cara de Matheus. O remate saiu forte, mas o guardião bracarense defendeu para canto.

À entrada para os últimos 20 minutos, e já com Matheus Nunes em campo (substituiu João Mário) foi a vez de Adán, por duas vezes, segurar a vantagem do Sporting CP. Iuri Medeiros, primeiro, e Paulinho, depois, testaram os reflexos do guarda-redes espanhol, que preservou a liderança dos leões.

Ao minuto 80, Matheus Nunes foi por ali fora e assistiu Šporar, que, de primeira, quase fazia o segundo dos leões. Até final, para lá de um ou outro susto, nomeadamente um golo anulado ao SC Braga e uma enorme defesa de Adán, o Sporting CP controlou o encontro e acabou mesmo por conquistar a terceira Taça da Liga da sua história. Nota apenas para a expulsão de Pedro Gonçalves, que viu vermelho direto por protestos.

No capítulo individual, juntamente com Pedro Porro, que apontou o golo do triunfo, destaque para o tremendo jogo de Sebastián Coates. Na partida 221 de leão ao peito, o capitão verde e branco esteve imperial e foi, sem margem para dúvidas, o comandante das tropas leoninas.

Fotografia de Sporting CP

  Comentários