summary_large_image
MAIS VALE PREVENIR QUE REMEDIAR
Com o abandono intempestivo da sala de imprensa, Varandas contrastou com a sua postura até agora, quiçá num novo fôlego, tendo em vista uma futura reeleição.
19 Out 2020, 09:06

No lançamento do clássico de sábado, em declarações ao Leonino (1), apontei para um empate como prognóstico. Verificou-se. Se a dinâmica inicial do 3-4-3 dos comandados de Rúben Amorim brilhou nos primeiros 10 minutos, primeiro com Matheus Nunes e depois com o golo de Nuno Santos, a mesma foi anulada assim que os azuis e brancos se começaram a organizar dentro do jogo, virando o jogo a seu favor, ainda na primeira parte. Não obstante o Sporting CP jogar com três centrais, Uribe, primeiro, à vontade no coração da área, e Corona, depois, num lance que começa num canto a favor do Sporting CP, a defesa leonina foi ultrapassada, sucessivamente, como faca quente em manteiga, evidenciando que muito há a trabalhar na organização coletiva. No fecho da primeira parte, surge o maior caso do jogo. Luís Godinho aponta penalty, expulsa Zaidu e depois é que vai ao VAR verificar o acerto da sua decisão, revertendo-a. Trata-se de um lance discutível, onde, a bem da transparência do futebol português, o áudio da comunicação entre Luís Godinho e Tiago Martins, VAR na Cidade do Futebol, devia ser tornado publico, como noutros casos, como o notável de Fábio Veríssimo, com o seu famoso “aguenta, aguenta” (2).

Na segunda parte, e com o tempo a fugir, Amorim continuou a enervar os Sportinguistas com a sua teimosia em não colocar um homem de área, substituindo Jovane Cabral pelo macio Vietto. Pepe e Mbemba agradeciam poder “mandar no recreio” a seu bel-prazer. Tiago Tomás e Plata não acrescentaram muito à equipa. Até que Sporar entra. O esloveno, com o seu 1,86m, ocupou a posição de referência na área. E aos 87 minutos, num lance de fibra e força física, Palhinha recupera a bola, lançando Pedro Gonçalves que centrou para Sporar tentar o golo. E, como os centrais do Porto foram atrás de Sporar, com movimentação à ponta de lança, surgiu finalmente o espaço para a suavidade de Vietto poder aparecer e faturar. Empate que sabe a pouco aos leões, confirmando também o Estádio José Alvalade como dos terrenos onde os azuis e brancos mais perdem pontos.

A surpresa aconteceu quando, após a intervenção de Rúben Amorim, Frederico Varandas subiu ao palco na sala de imprensa. Com a energia que já tinha visto na última AG da SAD, e de que dei conta aos leitores, no artigo intitulado “Antes real que virtual” (3), expressou inequivocamente a sua revolta perante a reversão da grande penalidade, afirmando, inclusive, que o lance na Luz ou no Dragão nunca seria revertido (4). Não se detendo por aqui, referiu vários lances onde o Sporting CP terá sido prejudicado. Culminou afirmando que, em Portugal, “o que interessa é se ganhou, se venceu, aí todos prestam vassalagem”. Com o abandono intempestivo da sala de imprensa, Varandas contrastou com a sua postura até agora, quiçá num novo fôlego, tendo em vista uma futura reeleição.

Em primeiro lugar, saúdo a evolução de Frederico Varandas, ao se ter liberto de complexos para poder intervir no espaço público. Quem comanda o Sporting CP, um Clube que dada a sua dimensão, os resultados e títulos têm de aparecer, não pode ter renitência em agitar as águas, infestadas pelos seus rivais, se isso servir os melhores interesses da instituição. No entanto, esta é uma cena que se repete há várias décadas em Alvalade: chorar em cima do leite derramado. Aparecer, depois dos pontos perdidos, pode aplacar frustrações da hora, mas não resolve problemas. A solução está sim em antecipar problemas, exercendo ações e influência preventiva. Talvez agora alguns percebam o timing “inocente” da entrevista de Pinto da Costa, na TVI, a umas meras 48 horas antes….

1 – https://leonino.pt/previsoes-dos-comentadores-do-leonino-para-o-classico/

2-https://tribunaexpresso.pt/multimedia/video/2017-09-09-Divulgado-dialogo–confuso–do-videoarbitro-que-levou-ao-golo-anulado-ao-Portimonense-na-Luz

3- https://leonino.pt/opiniao/antes-real-que-virtual/

4 – https://leonino.pt/varandas-este-lance-nunca-seria-revertido-no-dragao-ou-na-luz/

Diretor Leonino

  Comentários
Mais Opinião
Pedro Geada
ESTÁ DADO O ´PONTAPÉ DE SAÍDA´
Sendo um projeto de e para Sportinguistas, queremos que seja, e será certamente, um ‘rugido’ de referência que se ouvirá no Reino do Leão!
Pedro Geada
DA “GUERRA DOS SEIS DIAS” AO VIETNAME”
Diz o povo que "mais vale um mau acordo que uma boa demanda"...será isso possível neste caso?
Pedro Geada
A LIDERANÇA E O HORROR AO VAZIO
A falta de atitude, garra e vontade de vencer é das coisas que mais irrita os Sportinguistas, quase tanto como os próprios insucessos.
Pedro Geada
ESTE SILÊNCIO NÃO É DE OURO… É DE LATA!
O Presidente do Sporting deve ser o primeiro guardião dessa ambição, dessa exigência e dessa intransigência, a favor da excelência na performance de equipas e atletas!
Pedro Geada
NIXON NA JUGOSLÁVIA COM OS OUVIDOS EM PARIS
É preciso que o bom senso e o sentido de Clube voltem a imperar, colocando os superiores interesses do Sporting em primeiro lugar!
Pedro Geada
UM SÁBADO DO INVERNO DO NOSSO DESCONTENTAMENTO
Presume-se assim que Salgado Zenha não seja fã de campismo... mas nem os rivais diminuem o Sporting com declarações destas.
Pedro Geada
3 + 3 x 3: A CONTA QUE O FUTEBOL FEZ
Miguel Albuquerque sabe que o seu desempenho como Diretor é avaliado por resultados e títulos, sinalizando, assim, que não está com contemplações para quem não os obtém.
Pedro Geada
ASSUMIR RESPONSABILIDADES E TOMAR DECISÕES
Os 11 anos de futebol, que Varandas tanto proclamou, agravam agora um atestado de inaptidão para deter o pelouro do Futebol na SAD.