EM NOITE DE 'CHUVA DE GOLOS', RÚBEN AMORIM DEIXA JORGE JESUS NAS COVAS E CONTINUA A FAZER HISTÓRIA PELO SPORTING
Técnico verde e branco atingiu novo marco ao comando do Clube de Alvalade e superou registo do antigo treinador dos leões
Redação Leonino
Texto
12 de Fevereiro 2024, 12:24
Rúben Amorim, Jorge Jesus, Sporting

O Sporting aplicou a terceira goleada por 5-0 ao Braga, em casa, num intervalo de apenas 14 meses. A festa de golos do passado domingo permitiu aos leões continuar 100 por cento vitoriosos para a Liga esta época em Alvalade, agora com 11 triunfos, superando os 10 que haviam registado na temporada 2017/18 com Jorge Jesus ao comando da equipa.

A turma agora orientada por Rúben Amorim não é derrotada no seu estádio para a Liga há precisamente um ano (2-1, no clássico com o Porto, a 12 de fevereiro de 2022)- há 11 partidas atrás- e somou o 7.º triunfo seguido neste campeonato, o que equivale também ao melhor ciclo da temporada leonina- superando, desta forma, o registo do atual treinador do Al Hilal.

De resto, a jogar no seu reduto e com o apoio dos seus adeptos, os verdes e brancos estão a realizar uma campanha praticamente irrepreensível. Além de ter sido a 12.ª vitória consecutiva, foi a 16ª em 17 jogos disputados no José Alvalade, sendo só ‘pedra no sapato’ a derrota com a Atalanta (2-1) no grupo da Liga Europa.

Foi ainda a quinta vez esta temporada que a turma de Rúben Amorim marcou cinco ou mais golos numa única partida e nos últimos três duelos para a Liga o líder feriu os seus adversários por 16 vezes. Os leões não marcavam tanto nos primeiros 20 jogos do campeonato desde a temporada 1973/74 (66). Agora são 58, o que permitiu reforçar o estatuto de ataque mais concretizador da prova.

Pela sexta vez na história, os verdes e brancos conseguem vencer 11 jogos consecutivos em casa na mesma edição do campeonato. E este registo é esperançoso para o universo leonino, uma vez que nas cinco ocasiões anteriores o clube acabou sempre o campeonato a festejar o título, sendo que a última aconteceu há 24 anos (época 1979/80) com Fernando Mendes ao leme.

  Comentários