UMA SEMANA PARA A HISTÓRIA
Não existe uma razão lógica para que um clube português gaste 10 milhões de euros na aquisição de um treinador, seja ele quem for. Só não entende isso quem não quer
Redação Leonino
Texto
9 de Março 2020, 12:30

Quando um clube adquire um jogador, seja por que preço for, acrescenta valor à coluna do ativo (o que não sucede com um treinador). E cria a expectativa, lógica, de juntar um futuro ganho financeiro ao desportivo. Essa é a regra base do negócio futebol e a probabilidade de a mesma vir a verificar-se é grande, embora não garantida. No caso do Sporting, se olharmos às aquisições mais dispendiosas da história do clube (Sinama-Pongolle, Alan Ruiz e Bas Dost, todas a rondar os 10 milhões) verificamos que não houve aproveitamento desportivo com os dois primeiros nem lucro financeiro com qualquer deles (todos saíram abaixo do preço de custo). Isto para dizer o quê? Se nem com futebolistas o retorno do investimento está seguro, imagine-se no ‘mercado’ de treinadores, o qual existe apenas de forma muito esporádica. Mas esta lógica não foi suficiente para travar a decisão irracional de Frederico Varandas, que aceitou pagar, numa semana que entra directamente para a história do futebol Mundial, 10 milhões de euros ao Sp. Braga para ter o treinador Rúben Amorim no Sporting, dando até a entender que conta ganhar dinheiro no futuro, com a transferência deste mesmo técnico (que tem uma cláusula de saída de 20 milhões de euros).

1 – Milhares de Sócios do Sporting manifestaram-se no domingo, pela segunda vez nas imediações do Estádio, contra o Presidente do Clube, Frederico Varandas. O número total de aderentes às duas manifestações levadas a cabo no mesmo local em junho de 2018, a pedir a demissão do então Presidente Bruno de Carvalho, não chegou sequer a metade daqueles que no domingo fizeram ouvir bem alto a sua voz de contestação. Estive no local nesses três momentos. É-me fácil, por isso, comparar as ‘molduras humanas’. No entanto, para a generalidade dos comentadores televisivos as ‘manifs’ de 2018 foram uma demonstração cabal do descontentamento dos Sócios, enquanto esta foi apenas fruto de um movimento de claques (como se os seus elementos não fossem também eles Sócios), ignorando que nem sequer foram os GOA a ‘convocar’ o encontro. Dentro do Estádio, uma hora depois, tornou-se claro quem eram os contestatários: a esmagadora maioria daqueles que estavam na Superior Sul A (sector das claques), muitos dos que estavam na Superior Norte A (sector das famílias onde até entrou uma faixa ‘Godinho 2.0’) e pequenos grupos espalhados pela Central A oposta à Tribuna Presidencial. Sim, o movimento que começou há meses nos GOA está a alastrar de forma rápida e teve na decisão da aquisição do novo treinador um curto rastilho.

2 – Não pelo facto da escolha ter recaído em Rúben Amorim, mas sim por terem sido pagos 10 milhões para concretizar a operação. Não existe uma razão lógica para que um clube português gaste 10 milhões de euros na aquisição de um treinador, seja ele quem for. Ser o Sporting a fazê-lo é ainda mais irracional. Só não entende isso quem não quer. A capacidade de investimento no mercado de futebolistas é reduzida em Alvalade. Não se compara com o poder financeiro dos dois rivais na luta pelo título. Por exemplo, é mais difícil ao Sporting encontrar uma solução financeira para gastar 10 milhões num jogador, do que ao Benfica para gastar o dobro num único reforço (Weigl e Pedrinho, 20 milhões cada). É assim tão difícil entender as razões pelas quais a opção de Frederico Varandas não tem qualquer sentido? Mas acrescento outra: o Presidente leonino não vinculou a contratação de Rúben Amorim ao desejo de ganhar títulos. Deste treinador ele espera, sim, e sublinhou-o, trabalho de valorização de determinados jogadores para que depois os mesmos possam ser transferidos por verbas superiores. É esta perspectiva redutora do futebol-negócio que afasta os ‘clientes’. E qual é a importância destes mesmos ‘clientes’? Perguntem aos jogadores do Vitória Sport Clube que peso específico teve uma bancada cheia de apoiantes na forma como viraram o resultado em Paços de Ferreira.

3 – O Sporting com esta troca de treinadores já gastou quase metade da verba orçamentada para o reforço da equipa 2020/21. E agora esse ‘bolo’ só cresce se lhe for adicionado o ‘fermento’ de novas vendas. Como é fácil de ver, os poucos jogadores que ainda podem valer alguma verba significativa são aqueles que hoje garantem uma qualidade mínima à equipa. Colocar Coates (quando Mathieu vai terminar carreira), Wendel ou Acuña no mercado, para depois ter de encontrar substitutos à altura, é perder o certo e passar a ter o incerto. Bem sabemos que existe outra via porque o empresário Jorge Mendes consegue pegar num qualquer jogador banal e transferi-lo por um valor igual ou superior a 10 milhões. Já o mostrou com Thierry Correia. Mas entre as ‘encomendas’ que já lhe foram feitas por FC Porto e Benfica para o Verão, não sei se lhe sobrará muito tempo (e clubes) para ‘arranjar’ pelo menos 20 milhões ao Sporting.

 

P.S. Único ponto positivo da aquisição do treinador por 10 milhões: nunca mais ouviremos Salgado Zenha ou outro administrador falar de problemas financeiros até final do mandato…

  Comentários